REDE CEGONHA: PERCEPÇÕES DE GESTANTES DE ALTO RISCO DA REGIÃO DO MÉDIO VALE DO ITAJAÍ

Luiz Carlos Fonseca de Mello, Gessiane Keila Ignatowicz Pasquali, Ana Flávia Mariano Bailone Alvares Leite, Cláudia Regina Lima Duarte da Silva, Deisi Maria Vargas

Resumo


A Rede Cegonha (RC) tem o objetivo de reduzir a mortalidade materna e neonatal assegurando às mulheres o direito ao planejamento reprodutivo e à atenção humanizada à gravidez, abortamento, parto, puerpério e acompanhamento das crianças até os 2 anos. Em Santa Catarina (SC) a adesão a RC ocorreu em 2012, e no Médio Vale do Itajaí em 2013. A finalidade do trabalho de pesquisa é analisar as percepções das gestantes de alto risco sobre o atendimento na Rede Cegonha na região do Médio Vale do Itajaí. A metodologia utilizada de natureza qualitativa, descritiva e exploratória foi realizada com 20 gestantes de alto risco, em acompanhamento na RC, da Região do Médio Vale do Itajaí/SC. Procedimento metodológico adotado foi entrevista/análise de conteúdo, emergindo 2 categorias: o acesso ao serviço de saúde durante o pré-natal de alto risco e o cuidado dos profissionais de saúde à gestante de alto risco na RC. Percebeu-se que, apesar das usuárias terem acesso aos serviços especializados, com a quantidade de consultas e exames indicados, a demora em conseguir o atendimento, bem como a falta de materiais e medicações necessárias são pontos que precisam ser revistos. Quanto ao cuidado dos profissionais de saúde, as usuárias indicaram a preocupação da equipe em transmitir as informações e assim, tranquilizar as gestantes quanto aos procedimentos e desenvolvimento do bebê. Este estudo possibilitou a escuta de mulheres usuárias de um modelo de atenção que prioriza o acesso e o acolhimento de mulheres gestantes a partir de uma perspectiva de atenção integral.


Palavras-chave


Gravidez de alto risco; Rede Cegonha; Integralidade em saúde

Texto completo:

PDF

Referências


ARENAS-MONREAL, Luz; JASSO-ARENAS, Jasmin; CAMPOS-NAVARRO, y Roberto. Autocuidado: elementos para sus bases conceptuales. Global Health Promotion, v. 18, n. 4, p. 42-48, 2011. Disponível em: . Acesso em: 11 jul. 2018.

AYRES, José Ricardo de Carvalho Mesquita. Sujeito, intersubjetividade e práticas de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 6, p. 63-72, 2001. Disponível em: < https://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S1413-81232001000100005&script=sci_arttext>. Acesso em: 25 maio de 2018.

______. O cuidado, os modos de ser (do) humano e as práticas de saúde. Saúde e Sociedade, v. 13, p. 16-29, 2004. Disponível em: < https://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S0104-12902004000300003&script=sci_arttext>. Acesso em: 11 jul. 2018.

AZEVEDO, Daniela Vasconcelos de, et al. Percepções e sentimentos de gestantes e puérperas sobre a pré-eclâmpsia. Revista de Salud Publica, v.11, p. 347-358, 2009. Disponível em: < https://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S0124-00642009000300004&script=sci_arttext&tlng=en>. Acesso em: 15 out. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 2011a.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Manual prático para a implementação as Rede Cegonha. Brasília: Ministério da Saúde, 2011b.

______. Ministério da Saúde. Portaria nº 650, de 5 de outubro de 2011. Dispõe sobre os Planos de Ação regional e municipal da Rede Cegonha. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 2011c.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de alto risco: manual técnico/ Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. 5. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

______. Ministério da Saúde. Portaria nº 1020, de 29 de maio de 2013. Institui as diretrizes para a organização da atenção à saúde na gestação de alto risco e define critérios para a implantação e habilitação dos serviços de referência à atenção à saúde na gestação de alto risco, incluída a Casa da Gestante, Bebê e Puérpera (CGBP), em conformidade com a Rede Cegonha. Brasília: 2013a. Disponível em: . Acesso em: 11 jul. 2018.

______. Ministério da Saúde. Portaria nº 1781, de 26 de agosto de 2013. Aprova etapa II do plano de ação da rede cegonha do estado de Santa Catarina e municípios e aloca recursos financeiros para a sua implementação – bloco da atenção de média e alta complexidade ambulatorial e hospitalar. Brasília: 2013b. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt1781_26_08_2013.html>. Acesso em: 13 jun. 2018.

CALDEYRO-BARCIA, R. et al. Frecuencia cardíaca y equilibrio acido base del feto. Montevideo: Centro Latinoamericanode Perinatologia y Desarrollo Humano, 1973.

CECÍLIO, Luiz Carlos de Oliveira. As necessidades de saúde como conceito estruturante na luta pela integralidade e equidade na atenção. In: PINHEIRO, Roseni; MATTOS, Ruben Araujo de. Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: UERJ-IMS, Abrasco, 2001.

CERON, Marizete Ilha et al. Pre-natal care in perception of postpartum women from diferente health care services. Revista CEFAC: Atualização Científica em Fonoaudiologia e Educação, v. 15, n. 3, 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 jul 2018.

COUTO, Evelyn Regina et al. Quality of life, depression and anxiety among pregnant women with previous adverse pregnancy outcomes. São Paulo Medical Journal, v. 127, n. 4, p. 185-189, 2009.

GOTTEMS, Leila Bernarda Donato et al. Acesso à rede de atenção a gestação, parto e nascimento na perspectiva das usuárias. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, v. 6, n. 1, p. 95-115, 2015. Disponível em: . Acesso em: 8 maio 2018.

GÓMES LÓPEZ, Maria Eugenia et al. Psicoterapia de grupo para mujeres com embarazo de alto riesgo. Terapia Psicológica, v. 27, n. 2, p. 215-225, 2009. Disponível em: . Acesso em: 10 jul 2018.

GUERRA, Heloísa Silva et al. Análise das Ações da Rede Cegonha no Cenário Brasileiro. Iniciação Científica Cesumar, v. 18, n. 1, p. 73-80, 2016. Disponível em: < http://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/iccesumar/article/view/4897>. Acesso em: 8 maio 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2016/IBGE. Coordenação de população e indicadores sociais. Rio de Janeiro. IBGE: 2016.

______. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2017/IBGE. Coordenação de população e indicadores sociais. Rio de Janeiro: IBGE, 2017.

MARQUES, Consuelo Penha Castro. Redes de atenção à saúde: a rede cegonha. São Luís: UMA-SUS/UFMA; 2016.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10. ed. São Paulo: Hucitec; 2007.

OLIVEIRA, Edith Monteiro de; CELENTO, Denize Duarte. A temática da Rede Cegonha e a inserção do enfermeiro nesse contexto. Revista de Saúde, v. 7, n. 1, p. 33-38, 2016.

PEIXOTO, Sérgio. Manual de assistência pré-natal. 2. Ed. São Paulo: Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO), 2014.

PINHEIRO, Roseni; MATTOS, Ruben Araujo de. Construção da integralidade: cotidiano, saberes e práticas em saúde. Rio de Janeiro: UERJ-IMS-Abrasco, 2003.

SILVA, Eveline Franco da et al. Percepções de um grupo de mulheres sobre a doença hipertensiva específica da gestação. Revista Gaúcha de Enfermagem, v.32, n. 2, p. 316-322, 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2018.




DOI: https://doi.org/10.33362/ries.v9i1.1712

Direitos autorais 2020 Luiz Carlos Fonseca de Mello, Gessiane Keila Ignatowicz Pasquali, Ana Flávia Mariano Bailone Alvares Leite, Cláudia Regina Lima Duarte da Silva, Deisi Maria Vargas

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN: 2238-832X

-------------------------------------------------------------

Universidade Alto Vale do Rio do Peixe (UNIARP)
Rua Victor Baptista Adami, 800 - Centro
CEP: 89500-000 - Cx. Postal 232 - Fone: (49) 3561-6200
E-mail: uniarp@uniarp.edu.br

Copyright © 2010 UNIARP. Todos os direitos reservados.