UMA EXPERIÊNCIA DE INVESTIGAÇÃO E INTERVENÇÃO COMUNITÁRIA: INTERFACES ENTRE FORMAÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE MENTAL

Catarine Martins Torres, Camila Da Silva Eidam de Lima, Claudio Shigueki Suzuki, Emalline De Paula Santos, Gustavo Zambenedetti, Vanderleia Schinemann

Resumo


Este artigo parte do desafio apresentado em um programa de mestrado, que consiste em fomentar uma formação que articule a pesquisa no âmbito comunitário, sob um viés interdisciplinar. Nesse sentido, relataremos uma experiência de aproximação com um contexto comunitário, com o objetivo de levantar demandas locais e construir um projeto de  intervenção. Uma Unidade de Saúde da Família foi escolhida como dispositivo comunitário para a realização do trabalho. Foram realizadas observações participantes do cotidiano da unidade. A experiência foi sistematizada em 3 movimentos: aproximação e levantamento de demandas; delimitação de uma problemática para a intervenção; construção e implementação de uma proposta de intervenção. Foi possível constituir um diagnóstico, destacando-se a saúde mental como um dos principais temas demandados pela equipe. Com base nisso, foi organizada uma oficina sobre saúde mental, com a participação da equipe da unidade, da coordenação de um serviço de referência em saúde mental e das mestrandas, propiciando um dispositivo de reflexão e aprendizagem. Percebeu-se a relevância do trabalho realizado para a sistematização de um modo de aproximação com a comunidade, sob viés participativo, propiciando uma articulação comunidade-universidade em que ambos se beneficiam.

Palavras-chave


Interdisciplinaridade; Saúde Mental; Atenção Básica, Desenvolvimento Comunitário, Atenção Básica.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, L. M. B. de. Comunidade e sociedade: conceito e utopia. Ano XVIII, Nº 20, pp. 50 – 53. Raízes, 2009

ARANTES, L.J; SHIMIZU H.E; MERCHÁN-HAMANNE.: The benefits and chal-lenges of the Family Health Strategy in Brazilian Primary Health care: A literature review. Revista Ciencia e Saude Coletiva, 2016

BAUMAN, Z. Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Rio de Janeiro: Jorge Zajar, 2003.

BAREMBLITT, G. F. Compêndio de análise institucional e outras

correntes: teoria e prática, 5ed., Belo Horizonte, MG: Instituto Felix Guattari, 2002.

BOTERF, G.L. Pesquisa participante: Propostas e reflexões metodológicas. In: BRANDRÃO, C.R.. Repensando a pesquisa participante. São Paulo: Editora Brasiliense, 1999.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Rede de Atenção Psicossocial. Governo Federal. Disponivel em www.saude.gov.br/saudemental. Brasília, 2013.

______. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Política Nacional de Atenção Básica. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília, 2012.

______. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Lei Orgânica da Saúde. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília, set. 1990.

______. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria 2.436/2017 de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, set. 2017.

LANCETTI, A. AMARANTE, P. in CAMPOS, G W; MINAYO M C et AL. Tratado de saúde coletiva. Hucitec. 2012.

CANGUILHEM, G. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

COSTA, Rosemary Pereira. Interdisciplinaridade e equipes de saúde: con-cepções. Mental, Barbacena, v. 5, n. 8, p. 107-124. 2007

FIRMINO, A. A. et al. Atuação de enfermeiros na estratégia de saúde da família em um município de minas gerais. Saúde (Santa Maria), [S.l.], p. 49-58, jun. 2016.

FRAGOSO, A. Desenvolvimento Participativo: uma sugestão de reformulação conceptual. Revista Portuguesa de Educação. ISSN 0871-9187, 2005.

HIRDES, A. A perspectiva dos profissionais da Atenção Primária à Saúde sobre o apoio matricial em saúde mental. Rio de Janeiro. Revista Ciência e Saúde coletiva,v. 20, n. 2, p. 371-382.2015.

LEIS, H.R. Sobre o conceito de interdisciplinaridade. Cadernos de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências Humanas, v. 6, n. 73, p. 2-23, 2005.

MENDES, E.V. Redes de atenção à saúde. Belo Horizonte: Escola de Saúde Pública de Minas Gerais,2009.

PEDROSO, R. T; VIEIRA, M. E. M. & Vieira, Maria Edna Moura.Humanização das práticas de saúde: transversalizar em defesa da vida. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 2009.

PERUZZO, C. M. K. Conceitos de comunidade, local e região: inter-relações e diferença. São Paulo – v. 12, n. 24, p. 139-152, Líbero, 2009.

PETRAGLIA, I. Edgar Morin: a educação da complexidade do ser e do saber. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

ROCHA, M.L.; AGUIAR. K.F. Pesquisa- Intervenção e a Produção de Novas Análises.Psicologia, Ciência e Profissão, v.23, p. 64-73, 2003.

SANTOS, M. O dinheiro e o território. In: BECKER, B. K.; SANTOS, M. (Org.).Território, territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial. 3. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007.

SILVA, A; CASOTTI, L; LIMA, C.A; CHAVES, S. C. A produção científica brasileira sobre a Estratégia Saúde da Família e a mudança no modelo de atenção. Ciência & Saúde Coletiva, vol. 18, núm. 1, 2013.

SILVA, C.W.F; ROCHA,D.A, CHEHAB, I.M.C.V. Comunidade, Conflito e Mediação. Ceará, 2008.

THORNICROFT, et. Al. Padrão global de discriminação experimentada e antecipada contra pessoas com esquizofrenia: estudo transversal. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 12(1), 141-160.2009

ZAMBENEDETTI, G. et al . Psicologia e Análise Institucional: Contribuições para os Processos Formativos dos Agentes Comunitários de Saúde. Psicol. cienc. prof., Brasília , v. 34, n. 3, p. 690-703, Setembro,2014 .




DOI: https://doi.org/10.33362/ries.v9i1.1717

Direitos autorais 2020 Camila Da Silva Eidam de Lima

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN: 2238-832X

-------------------------------------------------------------

Universidade Alto Vale do Rio do Peixe (UNIARP)
Rua Victor Baptista Adami, 800 - Centro
CEP: 89500-000 - Cx. Postal 232 - Fone: (49) 3561-6200
E-mail: uniarp@uniarp.edu.br

Copyright © 2010 UNIARP. Todos os direitos reservados.