HIPERTENSÃO E/OU DIABETES MELLITUS EM UMA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: perfil e associação aos fatores de risco

Daniele Prado Tormas, Débora Aparecida da Silva Santos, Gabriela Neves Paula de Souza, Aliny Fernanda Silva Canuto Freitas, Franciane Rocha de Faria, Letícia Silveira Goulart

Resumo


Objetivo: Analisar o perfil epidemiológico e fatores de risco associados de hipertensos e/ou diabéticos de uma unidade de Estratégia de Saúde Família. Método: Estudo transversal, descritivo, de abordagem quantitativa, com 110 hipertensos e/ou diabéticos em Rondonópolis (MT). Foram avaliadas as variáveis sociodemográficas, clínicas, fatores de risco, antropométricas e morbidade auto referida. Foram realizadas análises descritivas dos dados e razão de prevalência. Resultados: A prevalência de HAS e DM foi sexo feminino (58,18%), faixa etária de 40-59 anos (45,46%), com companheiro (67,27%), baixas renda (99,19%) e escolaridade (75,45%). Os fatores de risco predominantes foram ingestão de sal 30% (IC95%: 0,43-1,63), álcool 6,66% (IC95%: 0,09-1,43) e açúcar 10% (IC95%: 0,13-1,21). Conclusão: Comparativamente aos homens, as mulheres representam maior prevalência de HAS e/ou DM, destacando baixos níveis de escolaridade e classe social. Quanto aos fatores de risco, demonstrou associação para HAS entre ingestão de sal e álcool e para DM de ingestão de açúcar.


Palavras-chave


Perfil de Saúde; Hipertensão; Diabetes Mellitus; Fatores de Risco; Estratégia Saúde da Família.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, M. M. A.; JESUS, W. L. A. Acesso aos serviços de saúde: abordagens, conceitos, políticas e modelo de análise. Ciência e Saúde Coletiva, v, 17, n. 11, p. 2865-75, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v17n11/v17n11a02.pdf.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE PESQUISA. Critério de classificação econômica Brasil: Critério Brasil 2015 e atualização da distribuição de classes para 2016. ABEP, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Coordenação Nacional de Hipertensão e Diabetes. Diabetes Mellitus. Brasília: Ministério da Saúde, 2011a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes para o cuidado das pessoas com doenças crônicas nas redes de atenção à saúde e nas linhas de cuidado prioritárias. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. 30p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes%20_cuidado_pessoas%20_doencas_cronicas.pdf.

BRASIL. Ministério da Saúde. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: o cuidado da pessoa tabagista. Brasília, Ministério da Saúde, 2015. 154p. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_40.pdf.

BRASIL. Ministério da Saúde. Norma Técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional – SISVAN. Brasília: Ministério da Saúde, 2011b. 76p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/orientacoes_coleta_analise_dados_antropometricos.pdf.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 483, de 1º de Abril de 2014. Redefine a Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) e estabelece diretrizes para a organização das suas linhas de cuidado. Conselho Nacional de Saúde, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde Brasil 2011: uma análise da situação de saúde e a vigilância da saúde da mulher. Brasília: Ministério da Saúde, 2012a. 446p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_brasil_2011.pdf.

BRASIL. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2011: vigilância de fatores de risco e proteção

para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília, Ministério da Saúde, 2012b. 136p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigitel_brasil_2011.pdf.

BRASIL. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2014: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília, Ministério da Saúde, 2015. 152p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigitel_brasil_2014.pdf.

BRASIL. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2016: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde, 2017. 162p. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/junho/07/vigitel_2016_jun17.pdf.

BRASIL. Portaria n° 466/2012 de outubro de 2012. Dispõe sobre diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa com seres humanos. Brasília (DF): Conselho Nacional de Saúde, 2012c. Publicada no Diário Oficial da União de 13 de junho de 2013; Seção 1: 59.

BRISCHILIARI, S. C. R.; AGNOLO, C. M. D.; GRAVENA, A. A. F.; LOPES, T. C. R.; CARVALHO, M. D. B.; PELLOSO, S. M. Doenças Crônicas não Transmissíveis e Associação com Fatores de Risco. Rev Bras Cardiologia, v. 27, n. 1, p. 531-428, 2014. Disponível em: http://www.rbconline.org.br/wp-content/uploads/Art_52_RBC_27_1_Catia_Agnollo_Artigo_Original.pdf.

CHAGAS, J. A. S.; ALMEIDA, A. N. F. A. Caracterização epidemiológica de pacientes hipertensos usuários de uma unidade básica de saúde da Região Norte. Cad. de Educação, Saúde e Fisioterapia, v. 3, n. 6, p. 105-116, 2016.

CHOR, D.; PINHO, R. A. L.; SÁ, C. M.; DUNCAN, B. B.; ANDRADE, L. P.; ARAÚJO, N. A.; et al. Prevalence, awareness, treatment and influence of socioeconomic variables on control of high blood pressure: results of the ELSA-Brasil Study. Plos One, v.10, n. 6, p. 1-14, 2015. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4478044/.

CRUZ, M. F.; RAMIRES, V. V.; WENDT, A.; MIELKE, G. I.; MESA, J. M.; WEHRMEISTER, F. C. Simultaneidade de fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis entre idosos da zona urbana de pelotas, Rio grande do sul, Brasil. Caderno de Saúde Pública, v. 33, n. 2, p. 1-11, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v33n2/1678-4464-csp-33-02-e00021916.pdf.

DICOW, l. Perfil epidemiológico de pacientes portadores de Diabetes Mellitus tipo 2 residentes do município de Aguda, RS. Cinergis, v.16, n. 4, p. 261-66, 2015. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/cinergis/article/viewFile/6177/4744.

EDMONDSON, D.; ARNDT, J.; ALCÁNTARA, C.; CHAPLIN, W.; SCHWARTZ, J. E. Self-esteem and the acute effect of anxiety on ambulatory blood pressure. Psychosom Med., v. 77, n. 7, p. 833-841, 2015. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4565744/.

EVANGELISTA, A. S.; GUIMARÃES, M. C. S.; LEAL, M. B. Fluxos de Informação no SisHiperDia: um estudo de caso. Reciis, v. 7, n. 4, p. 1-14, 2013. Disponível em https://www.reciis.icict.fiocruz.br/index.php/reciis/article/view/570/pdf-570.

FERREIA, C. L. R. A.; FERREIRA, M. G. Características epidemiológicas de pacientes diabéticos da rede pública de saúde – análise a partir do sistema HiperDia. Arq Bras Endocrinol Metab, v. 53, n. 1, p. 80-86, 2009.

FREITAS, J. G. A.; NIELSON, S. E. O.; PORTO, C. C. Adesão ao tratamento famacológico em idosos hipertensos: uma revisão integrativa da literatura. Rev Soc Clin Med, v. 13, n. 1, p. 75-84, 2017. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2015/v13n1/a4782.pdf.

GOIS, C. F. L.; SANTOS, J. F. S.; LIMA, A. C. R.; GONÇALVES, G. M.; SANTOS, F. L. L. S. M.; TEIXEIRA, J. R. M.; BARRETO, M. A. S. Perfil sociodemográfico e clínico de hipertensos atendidos por equipe da Saúde da Família. Rev Min Enferm, v. 20, n. 960, p. 1-6, 2016. Disponível em: http://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-835269.

GOMIDE, N. A. C.; MOREIRA, O. C.; OLIVEIRA, R. A. R.; AMORIM, P. R. S.; MARINS, J. C. B. Prevalência de glicemia sugestiva de Diabetes Mellitus e intolerância a glicemia de jejum em uma cidade do interior do Brasil. Arq. Ciênc. Saúde Unipar, v. 17, n. 3, p. 147-152, 2013. Disponível em: http://www.revistas.unipar.br/index.php/saude/article/view/5063/2945.

GORGUI, J.; GORSHKOV, M.; KHAN, N.; DASKALOPOULOU, S. S. Hypertension as a risk factor for ischemic stroke in women. Can J Cardiol, v. 30, n. 7, p. 774-82, 2014. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24970789.

HE, F. J.; MACGREGOR, G. A. Reducing population salt intake worldwide: from evidence to implementation. Prog Cardiovascular Diseases, v. 52, n. 5, p. 363-382, 2010. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20226955.

HOSEY, G. M; SAMO; M.; GREGG, E. W.; PADDEN, D.; BIBB, S. G. Socioeconomic and demographic predictors of selected cardiovascular risk factors among living in Pohnpei, Federated States ok Micronesia. BMC Public Health, v. 14, n. 895, p. 1-14, 2014. Disponível em: https://bmcpublichealth.biomedcentral.com/articles/10.1186/1471-2458-14-895.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Nacional de Saúde 2013: percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas – Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação. Rio de Janeiro: IBGE, 2014.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Síntese de Indicadores sociais – uma análise das condições de vida. Rio de Janeiro. IBGE. 2016.

INTERNATIONAL DIABETES FEDERATION. Diabetes atlas update 2015: Regional & Country Facctsheets. 8 ed. Brussels: International Diabetes Federation, 2015. Disponível em: .

LIM, S. S.; VOS, T.; FLAXMAN, A. D.; DANAEI, G.; SHIBUYA, K.; ADAIR-ROHANI, H.; et al. A comparative risk assessment of burden of disease and injury attributable to 67 risk factors and risk factor clusters in 21 regions, 1990-2010: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2010. The Lancet, v. 380, n. 9859, p. 2224-60, 2012. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23245609.

LIMA; A. S.; GAIA; E. S. M.; FERREIRA, M. A. A importância do Programa Hiperdia em uma Unidade de Saúde da Família do município de Serra Talhada-PE. Coletiva em Debates, v. 2, n. 1, p. 30-29, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v68n4/0034-7167-reben-68-04-0626.pdf.

LOBO, L. A. C.; CANUTO, R.; COSTA, J. S. D.; PATUSSI, M. P. Tendência temporal de hipertensão arterial sistêmica no Brasil. Caderno de Saúde Publica, v. 33, n. 6, p. 1-13, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2010000800001.

LOTUFO, P. A.; BENSENOR, I. J. M. Raça e mortalidade cerebrovascular no Brasil. Rev. Saúde Pública, v. 47, n. 6, p. 1201-1204, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S00349102013000601201&script=sci_abstract&tlng=pt.

MAGNABOSCO, P.; TERAOKA, E. C.; OLIVEIRA, E. M.; FELIPE, E. A.; FREITAS, D.; ALVES, L. M. M. Análise comparativa da não adesão ao tratamento medicamentoso da hipertensão arterial sistêmica em população urbana e rural. Rev. Latino Am Enfermagem, v. 23, n. 1, p. 20-27, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v23n1/pt_0104-1169-rlae-23-01-00020.pdf.

MALTA, D. C.; BERNAL, R. T. I.; ANDRADE, S. S. C. A; SILVA, M. M. A.; MELENDEZ, G. V. Prevalência e fatores associados com hipertensão arterial autorreferida em adultos brasileiros. Rev Saúde Pública, v. 51, n. 1, p. 1-11, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-89102017000200313&script=sci_arttext&tlng=pt.

MIKAEL, L. R.; PAIVA, A. M. G.; GOMES, M. M.; SOUSA, A. L. L.; JARDIM, P. C. B.; VITORINO, P. V. O.; et al. Envelhecimento Vascular e Rigidez Arterial- artigo de Revisão. Sociedade Brasileira de Cardiologia, v. 109, n. 2, p. 253-258, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/abc/v109n3/pt_0066-782X-abc-20170091.pdf.

MOTTER, F. R.; OLINTO, M. T. A.; PANIZ, V. M. V. Avaliação do conhecimento sobre níveis tensionais e cronicidade da hipertensão: estudo com usuários de uma Farmácia Básica no Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública, v. 31, n. 2, p. 395-404, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2015000200395.

PEREIRA, C.; MARINHO, M.; CASSOLA, T.; SEERIG, A. P.; MUSSOI, T. D; BLÜMKE, A. C. Perfil Epidemiológico de Hipertensos e Diabéticos em uma Estratégia da Saúde da Família de Santa Maria/RS. Disciplinarum Scientia, v.15, n. 2, p. 195-203, 2014. Disponível em: https://www.periodicos.unifra.br/index.php/disciplinarumS/article/viewFile/1078/1022.

PEREIRA, I. A.; MOTA, M. H.; CRUZ, B. A.; BRENOL, C. V.; FRONZA, L. S. R.; BERTOLO, M. B.; et al. Consenso 2012 da Sociedade Brasileira de Reumatologia sobre o manejo de comorbidades em pacientes com artrite reumatoide. Rev Bras Reumatologia, v. 52, n. 4, p. 474-495, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0482-50042012000400002.

PORTELA, R. S.; BARBOSA, A. M.; MARTINS, M. A.; PELAZZA, B. B.; LEITE, G. R.; PAULA, C. R. Prevalência de fatores de risco cardiovasculares e fatores associados em usuários de unidades de saúde. Rev Enferm UFPE, v. 10, n. 9, p. 3232-3240, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/.

SALES, J. C. S.; BARROS, C. R. O.; MACHADO, I. M. L. N.; SANTOS, L. N. B.; CAMPELO, V.; COÊLHO, D. M. M.; et al. Perfil Epidemiológico dos Pacientes Hipertensos de um centro de Saúde, Teresina-PI. Teresina: Rev Multiprofissional de Saúde, v. 1, n. 1, p. 4-13, 2013. Disponível em: http://ojs.saomarcos.org.br/ojs/index.php/cientifica/article/view/14.

SCALA, L. C.; MAGALHÃES, L. B.; MACHADO A. Epidemiologia da hipertensão arterial sistêmica. In: Moreira SM, Paola AV; Sociedade Brasileira de Cardiologia. Livro Texto da Sociedade Brasileira de Cardiologia. 2 ed. São Paulo: Manole, 2015. 780-85.

SILVA, A. L.; FONSECA, G. S. S.; ROSSI, V. E. C. Adesão ao tratamento medicamentoso entre pessoas com diabetes mellitus. Ciência et Praxis, v. 8, n. 16, p. 21-26, 2015. Disponível em: http://revista.uemg.br/index.php/praxys/article/view/2219.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arq Bras Cardiologia, v. 107, n. 3, 2016. 83p.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes. Ac Farmacêutica, 2016. 348p.

SOUZA, D.; PÓVOA, R. Álcool e Hipertensão arterial. Sociedade Portuguesa de Cardiologia, n.32, p. 33-39, 2014. Disponível em: http://ptdocz.com/doc/527982/%C3%A1lcool-e-hipertens%C3%A3o-arterial---sociedade-portuguesa-de-c.

SPOSITO, A. C.; CARAMELLI, B.; FONSECA, F. A. H.; BERTOLAMI, M. C. IV Diretriz brasileira sobre dislipidemias e prevenção da aterosclerose: Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 88, p. 2-19, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0066-782X2007000700002.

WORLD HEALTH ORGANIZ ATION. A global brief on hypertension: silent killer, global public health crisis. Geneva: WHO, 2013a.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Ingestão de açúcares por adultos e crianças. Geneva: WHO; 2015.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Self-Help strategies- for cutting down or stopping substance use. Geneva: WHO; 2010.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Sodium intake for adults and children. Geneva: WHO, 2012.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. World health statistics. Geneva: World Health Organization, 2013b.




DOI: https://doi.org/10.33362/ries.v9i1.1743

Direitos autorais 2020 Daniele Prado Tormas, Débora Aparecida da Silva Santos, Gabriela Neves Paula de Souza, Aliny Fernanda Silva Canuto Freitas, Franciane Rocha de Faria, Letícia Silveira Goulart

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN: 2238-832X

-------------------------------------------------------------

Universidade Alto Vale do Rio do Peixe (UNIARP)
Rua Victor Baptista Adami, 800 - Centro
CEP: 89500-000 - Cx. Postal 232 - Fone: (49) 3561-6200
E-mail: uniarp@uniarp.edu.br

Copyright © 2010 UNIARP. Todos os direitos reservados.