TRÂNSITO COMO TEMÁTICA INTERDISCIPLINAR EM PROMOÇÃO DA SAÚDE

Anselmo Cordeiro de Souza, Maria Cecília Leite de Moraes, Leonardo Tavares Martins, Morenilza Bezerra de Conceição Fróes, Elaine dos Santos Salzano, Myrian Regazzo de Jesus Moura

Resumo


O tráfego e a circulação humanos são, hoje, prioridades nas agendas políticas mundial e nacional, pelo impacto social de sua articulação e por conta da operacionalização, expressos em estatísticas epidemiológicas, criminais e ambientais, e no contexto das demandas logísticas de apropriação do espaço urbano. Este artigo objetiva explicitar a proposição interdisciplinar aplicada ao trânsito como mecanismo de produção de conhecimento, soluções e práticas melhores e mais efetivas. Trata-se de um ensaio teórico, que se limita a uma abordagem bibliográfica e narrativa, tendo como articulador um conceito nuclear em promoção da saúde, ou seja, o “saudável”. A partir da literatura consultada, confirmou-se a possibilidade da interdisciplinaridade como estratégia para superar as fortes tensões presentes na temática do trânsito. Isto significa uma valorização da vida e da saúde, por meio de uma estrutura congruente, ambientada na convivência e na relação fraterna, mediadas pelo trânsito como veículo de acesso e estreitamento das relações e dos laços humanos (físicos ou subjetivos), intencionando o bem-estar e a qualidade de vida social. A discussão a respeito do tema contribuiu para um clareamento e uma reflexão sobre a escandalosa necessidade de novos caminhos, baseados em propostas integradoras.

Palavras-chave: Pesquisa interdisciplinar. Acidentes de Trânsito. Promoção da Saúde. Organização e administração. 

 

ABSTRACT: Human traffic and circulation are now priority in the national and international political agendas, due to the social impact of its articulation and operationalization expressed in epidemiological, criminal and environmental statistics, and in the context of the logistic demands of urban space appropriation. This article aimed to explain the interdisciplinary proposition applied to traffic, as mechanism of production of knowledge, solutions and better and more effective practices. This is a theoretical essay limited to a bibliographical and narrative approach, which takes the concept of health promotion, namely "healthy", as articulator. From the literature consulted, we confirmed the possibility of the interdisciplinarity as a strategy to overcome the strong tensions present in the thematic traffic. It means that there is a valuation of life and health through a congruent structure, set in the coexistence and fraternal relationship, mediated by traffic as a vehicle of access and narrowing of human relations and ties (physical or subjective), intending the well-being and quality of social life. The discussion on the subject contributed to a clarification and reflection of the scandalous need for new paths based on an integrative proposal.

Keywords: Interdisciplinary research. Accidents, Traffic; Health Promotion; Organization and Administration.


Palavras-chave


Pesquisa Interdisciplinar; Acidentes de Trânsito; Promoção da Saúde; Organização e Administração.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Angela Maria Mendes; LIMA, José Mauro Braz de; LIMA, José Mauro Braz de. O impacto do álcool na mortalidade em acidentes de trânsito: uma questão de saúde pública.Esc. Anna Nery [online]. vol.10, n.1, pp. 87-94. 2006.

ADRIANO, Jaime Rabelo et al. A construção de cidades saudáveis: uma estratégia viável para a melhoria da qualidade de vida. Ciênc Saúde Coletiva, v. 5, n. 1, p. 53-62, 2000.

ALMEIDA FILHO, Naomar. Qual o sentido do termo saúde?. Cad. Saúde Pública, v. 16, n. 2, p. 300-301, 2000.

ANJOS, Kátia Campos dos; EVANGELISTA, Maria Rosa Barral; SILVA, Jorge dos Santos; ZUMIOTTI, Arnaldo Valdir.Paciente vítima de violência no trânsito: análise do perfil socioeconômico, características do acidente e intervenção do Serviço Social na emergência. Acta ortop. bras. [online]. vol.15, n.5, pp. 262-266. 2007.

AZEVEDO, Eliane; PELICIONI, Maria Cecilia Focesi; WESTPHAL, Marcia Faria. Práticas intersetoriais nas políticas. Physis Revista de Saúde Coletiva, v. 22, n. 4, p. 1333-1356, 2012.

BACCHIERI, Giancarlo; BARROS, Aluísio J. D. Acidentes de trânsito no Brasil de 1998 a 2010: muitas mudanças e poucos resultados.Rev Saúde Pública 45(5): 949-63. 2011.

BARROS, Camila Risso de et al. Implementação de programa estruturado de hábitos de vida saudáveis para redução de risco cardiometabólico. ArqBrasEndocrinolMetab [Internet], v. 57, n. 1, p. 7-18, 2013.

BOVA, Vanina Battisti Roberti; WALL, Marilene Loewen. Educação em saúde no trãnsito: uma contribuiçãoda enfermagem. Cogitareenferm, v. 10, n. 1, p. 60-65, 2005.

BRASIL (A). Ministério das Cidades. Departamento Nacional de Trânsito. Resolução 514, de 18 de dezembro de 2014. Brasília, 2014.

BRASIL (B). Ministério da Saúde. Portaria nº 2.446, de 11 de novembro de 2014. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

BRASIL (C). Ministério da Educação. Secretaria e Educação Profissional e Tecnológica. Diretoria de Políticas de Educação Profissional e Tecnológica. Catálogo Nacional de Cursos Técnicos. Brasília: Ministério da Educação, 2014.

BRASIL (A). Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9503Compilado.htm. Acesso 30 de outubro de 2016.

BRASIL (B).Ministério da Educação. Comissão de Aperfeiçoamento e Pessoal do Ensino Superior – CAPES. Disponível em: www.capes.gov.br. Acesso 30 de outubro de 2016.

BRASIL (C).Ministério da Educação. Comissão de Aperfeiçoamento e Pessoal do Ensino Superior – CAPES. Plataforma Sucupira. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br. Acesso 30 de outubro de 2016.

BRASIL. Ministério das Cidades. Denatran. Projeto Capacitação de Profissionais de Trânsito: Legislação de Trânsito. Brasília: Ministério das Cidades, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Política nacional de promoção da saúde. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

CANDEIAS, Nelly Martins Ferreira. Conceitos de educação e de promoção em saúde: mudanças individuais e mudanças organizacionais. Rev. Saúde Publica, 31 (2): 209-13, 1997.

CARVALHO, Mauren Lopes de; FREITAS, Carlos Machado de.Pedalando em busca de alternativas saudáveis e sustentáveis.Ciênc. saúde coletiva [online].vol.17, n.6, pp. 1617-1628. 2012.

COSTA, Marcela da Silva. Mobilidade urbana sustentável: um estudo comparativo e as bases de um sistema de gestão para Brasil e Portugal. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, 2003.

COSTA, José Luiz Riani. Algumas reflexões sobre cidade saudável. Saúde e Sociedade, v. 6, n. 2, p. 65-70, 1997.

CIRANI, Claudia Brito Silva; CAMPANARIO, Milton Abreu; DA SILVA, Heloisa Helena Marques. A evolução do ensino da pós-graduação senso estrito no Brasil: análise exploratória e proposições para pesquisa. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, v. 20, n. 1, p. 163-187, 2015.

CAPRA, Fritjof. Ponto de Mutação, O. editora Cultrix, 1998.

CUNHA, Antônio Geraldo. Dicionário etimológico Nova Fronteira da língua portuguesa. Nova Fronteira, 2010.

DUAILIBI, Sérgio; PINSKY, Ilana; LARANJEIRA, Ronaldo.Prevalência do beber e dirigir em Diadema, estado de São Paulo.Rev. Saúde Pública [online]. 2007, vol.41, n.6, pp. 1058-1061. Epub Oct 02, 2007.

FAZENDA, Ivani Catarina Arantes; VARELLA, Ana Maria Ramos Sanchez; DE OLIVEIRA ALMEIDA, Telma Teixeira. Interdisciplinaridade: tempo, espaços, proposições. Revista Científica e-Curriculum, v. 11, n. 3, p. 847-862, 2014.

FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. Papirus editora, 2006.

FREITAS, Mariana Gonçalves de; BONOLO, Palmira de Fátima; MORAES, Edgar Nunes de and MACHADO, Carla Jorge.Idosos atendidos em serviços de urgência no Brasil: um estudo para vítimas de quedas e de acidentes de trânsito.Ciênc. saúde coletiva [online]. vol.20, n.3, pp. 701-712. 2015.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs - capitalismo e esquizofrenia, vol. 1. Tradução de Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. —Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995.

HADDAD et al. Formação de profissionais de saúde no Brasil: uma análise no período de 1991 a 2008. Rev Saúde Pública, v. 44, n. 3, p. 383-93, 2010.

HOFFMANN, Maria Helena; CRUZ, Roberto Moraes; ALCHIERI, João Carlos. Comportamento Humano no Trânsito. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003.

JAPIASSU, Hilton. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Imago Editora, 1976.

LUZ, Madel T. Complexidade do campo da saúde coletiva: multidisciplinaridade, interdisciplinaridade e transdisciplinaridade de saberes e práticas – análise sócio-histórica de uma trajetória paradigmática. Saúde e Sociedade. São Paulo, v. 18, n.2, p. 304-11, 2009.

MARCONI, M;PRESOTTO, Z.Antropologia: uma introdução. 3a. ed. São Paulo. Atlas, 1986.

MALTA, Deborah Carvalho; MASCARENHAS, Márcio Dênis Medeiros; BERNAL, Regina Tomie Ivata; ANDRADE, Silvania Suely Caribé de Araújo; NEVES, Alice Cristina Medeiros das; MELO, Elza Machado de; SILVA JUNIOR, Jarbas Barbosa da.Causas externas em adolescentes: atendimentos em serviços sentinelas de urgência e emergência nas Capitais Brasileiras - 2009.Ciênc. saúde coletiva [online]. vol.17, n.9, pp. 2291-2304. 2012.

MARIN-LEON, Leticia; VIZZOTTO, Marília Martins. Comportamentos no trânsito: um estudo epidemiológico com estudantes universitários. Cad. Saúde Pública [online]. 2003, vol.19, n.2, pp. 515-523.

MENDES, Jussara Maria Rosa; LEWGOY, Alzira Maria Baptista; SILVEIRA, Esalba Carvalho. Saúde e interdisciplinaridade: mundo vasto mundo. Ciência & Saúde, v. 1, n. 1, p. 24-32, 2008.

DA SILVA, Guilherme Jonas Costa; MENEZES, Lívia Boaventura; NEDER, Henrique Dantas. QUALIDADE DA MALHA RODOVIÁRIA, CUSTOS ECONÔMICOS ASSOCIADOS E DETERMINANTES DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO NO BRASIL: avaliação e proposição de política. Revista de Políticas Públicas, v. 19, n. 1, p. 327-347, 2015.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Morre menos quem morre no trânsito? Ciência & Saúde Coletiva, vol. 17, núm. 9, setembro, pp. 2237-2245. 2012.

MINAYO, Maria Cecília de Souza; DESLANDES, Suely Ferreira. Análise da implantação da rede de atenção às vítimas de acidentes e violências segundo diretrizes da Política Nacional de Redução da Morbimortalidade sobre Violência e Saúde. Revista Ciência & Saúde Coletiva, v. 14, n. 5, 2009.

MODERNELL, R. Cinco mil anos de loucuras no trânsito. Revista Quatro Rodas, p.44-49.São Paulo. 1989.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

NORMAN, Leslie George et al. Road traffic accidents: epidemiology, control, and prevention. Word Health Organization, 1962.

PAIVA, Kely César Martins; MELO, Marlene Catarina de Oliveira Lopes. Competências, Gestão de Competências e Profissões: Perspectivas de Pesquisas. Revista de Administração Contemporânea, v. 12, n. 2, p. 339, 2008

PACKER, A.L., et al., orgs. SciELO – 15 Anos de Acesso Aberto: um estudo analítico sobre Acesso Aberto e comunicação científica. Paris: UNESCO, 2014.

PAVARINO FILHO, Roberto Victor.Morbimortalidade no trânsito: limitações dos processos educativos e contribuições do paradigma da promoção da saúde ao contexto brasileiro.Epidemiol. Serv. Saúde [online]. vol.18, n.4, pp. 375-384. 2009.

PEDUZZI, Marina et al. Educação interprofissional: formação de profissionais de saúde para o trabalho em equipe com foco nos usuários. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 47, n. 4, p. 977-983, 2013.

PEREIRA, Isabel Maria Teixeira; PENTEADO, Regina Zanella; MARCELO, Vânia Cristina. Promoção da Saúde e Educação em Saúde: uma parceria saudável. O mundo da saúde. São Paulo, ano 24 v. 24 n. 1 jan/fev. 2000.

PINSKY, Ilana; LABOUVIE, Erich; LARANJEIRA, Ronaldo.Disposição e alternativas ao dirigir alcoolizado entre jovens paulistanos.Rev. Bras. Psiquiatr. [online]. vol.26, n.4, pp. 234-241. 2004.

PINSKY, Ilana; PAVARINO FILHO, Roberto Victor.A apologia do consumo de bebidas alcoólicas e da velocidade no trânsito no Brasil: considerações sobre a propaganda de dois problemas de saúde pública.Rev. psiquiatr. Rio Gd. Sul [online]. vol.29, n.1, pp. 110-118. 2007.

POMBO, Olga. Epistemologia da Interdisciplinaridade. Revista Ideação. Foz do Iguaçu. v. 10 - nº 1 - p. 9-40 1º sem. 2008.

PUCCINI, Lucas Rebelo Silva et al. Comparativo entre as bases de dados PubMed, SciELO e Google Acadêmico com o foco na temática Educação Médica. Cadernos UniFOA, n. 28, p. 75-82, 2015.

QUEIROZ, Marcos S. and OLIVEIRA, Patricia C. P..Acidentes de trânsito: uma análise a partir da perspectiva das vítimas em Campinas.Psicol. Soc. [online]. vol.15, n.2, pp. 101-123. 2003.

REICHENHEIM, Michael Eduardo et al. Violence and injuries in Brazil: the effect, progress made, and challenges ahead. The Lancet, v. 377, n. 9781, p. 1962-1975, 2011.

SATHLER-ROSA, Ronaldo. Cuidado espiritual como fator de integralidade (saúde) do Ser: funções históricas do cuidado na tradição judaico-cristã. Rev. PistisPrax., Teol. Pastor., Curitiba, v. 6, n. 1, 2014.

SECRETARIA DE POLITICAS DE SAUDE/MS. Projeto Promoção da Saúde.Programa de Redução da Morbimortalidade por Acidentes de Trânsito: Mobilizando a Sociedade e Promovendo a Saúde.Rev. Saúde Pública [online]. vol.36, n.1, pp. 114-117. 2002.

SILVA, Fábio Henrique Vieira de Cristo; GÜNTHER, Hartmut. Psicologia do trânsito no Brasil: de onde veio e para onde caminha?.Temas em Psicologia. 17(1) 163-175. 2009.

SOARES, Diogo Picchioni; THIELEN, Iara Picchioni.Projeto transformando o trânsito e a perspectiva do facilitador.Psicol. cienc. prof. [online]. vol.32, n.3, pp. 730-743. 2012.

SOUZA, Anselmo Cordeiro de. OLIVEIRA, Izabel Maria de. MARTINS, Leonardo Tavares. Promoção da Saúde: espaço interdisciplinar para o estudo do estilo de vida.EFDesportes, v. 218, p. 1-4, Jun, 2016.

TAVARES, Dirce Encarnacion. A interdisciplinaridade na contemporaneidade: qual o sentido?. In FAZENDA, Ivani Catarina Arantes (Org.). O que é interdisciplinaridade, São Paulo: Cortez,2008.

VERMELHO, Letícia Legay; JORGE, Maria Helena P. de Mello.Mortalidade de jovens: análise do período de 1930 a 1991 (a transição epidemiológica para a violência).Rev. Saúde Pública [online]. vol.30, n.4, pp. 319-331. 1996.

VERONESE, Andréa Márian; OLIVEIRA, Dora Lúcia Leidens Corrêa de. Os riscos dos acidentes de trânsito na perspectiva dos moto-boys: subsídios para a promoção da saúde.Cad. Saúde Pública[online]. vol.22, n.12, pp. 2717-2721. 2006.

VIEIRA, Luiza Jane Eyre de Souza; SOUZA, Edinilsa Ramos de; XAVIER, Érika Porto; LIRA, Samira Valentim Gama; FERREIRA, Renata Carneiro.Relatos da equipe de saúde quanto às práticas educativas ao vitimado no trânsito durante a hospitalização/reabilitação num hospital de emergência.Saúde soc.[online].vol.19, n.1, pp. 213-223. 2010.

VIARO, Mário Eduardo. Etimologia. São Paulo: Editora Contexto, 2011.

VOSGERAU, Dilmeire Sant’Anna Ramos; ROMANOWSKI, Joana Paulin. Estudos de revisão: implicações conceituais e metodológicas. RevistaDiálogoEducacional, v. 14, n. 41, p. 165-189, 2014.

WHO. World report on road traffic injury prevention. Edited by Margie Peden et al. World Health OrganizationGeneva, 2004.

WESTPHAL, Marcia Faria; MENDES, Rosilda. Cidade saudável: uma experiência de interdisciplinaridade e intersetorialidade. Revista de Administração Pública, v. 34, n. 6, p. 47-61, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.33362/ries.v7i1.1201

Direitos autorais 2018 Revista Interdisciplinar de Estudos em Saúde

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN: 2238-832X

-------------------------------------------------------------

Universidade Alto Vale do Rio do Peixe (UNIARP)
Rua Victor Baptista Adami, 800 - Centro
CEP: 89500-000 - Cx. Postal 232 - Fone: (49) 3561-6200
E-mail: uniarp@uniarp.edu.br

Copyright © 2010 UNIARP. Todos os direitos reservados.