A CRIANÇA COM TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTOAUTISMO: A ATUAÇÃO DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DE UMA INSTITUIÇÃO ESPECIALIZADA

Beatriz Cardoso Vieira, Izabel Scarabelot Medeiros, Sonia Maria Correa, Sonia Maria Correa, Ana Regina da Silva Losso, Ana Regina da Silva Losso

Resumo


O estudo é uma análise da assistência da equipe multiprofissional que atua em uma instituição especializada com crianças com Transtorno Global do Desenvolvimento: Autismo. O autismo é considerado uma alteração em que a criança desenvolve dificuldades de comunicação, apresenta comportamentos repetitivos e dificilmente estabelece relações sociais, o que se caracteriza como um desafio para equipe. Ainda são poucas bibliografias atualizadas sobre a atuação dos profissionais frente ao autismo infantil, ou sobre autismo, obtendo-se a grande maioria das bibliografias da década de 90. Portando está realidade resultou no interesse de investigar mais sobre o assunto com o desejo de aprofundar os conhecimentos frente à assistência para criança com autismo, buscando formas e meios para auxiliar a assistência prestada pela equipe multiprofissional, e também com o objetivo de identificar a atuação da equipe multiprofissional frente ao autismo infantil. É um estudo de abordagem qualitativa, baseado em análise de dados, levantada e obtida através de uma entrevista semiestruturada com 10 profissionais que atuam em uma instituição de ensino para crianças com autismo de um município do Extremo Sul Catarinense. A análise de dados foi realizada a partir da análise de conteúdo, categorização dos dados, ordenação, classificação e análise final dos dados pesquisados. Tendo como resultado a atuação da equipe multiprofissional em exercer intervenções que auxiliam o portador de autismo a reduzir a incidência de comportamentos inadequados, essas intervenções são realizadas através de métodos para alcançar os objetivos de ensino aprendizagem, auxiliar na interação social e estimular as limitações que as crianças autistas possuem.

Palavras-chave: Autismo infantil. Transtorno Global do desenvolvimento. Equipe multiprofissional.

 

ABSTRACT: The study is an analysis of the assistance of the multidisciplinary team in a specialized institution with Global Developmental Disorder children: Autism. Autism is considered a change in which the child develops communication difficulties, repetitive behaviors and features hardly establishes social relations, what is characterized as a challenge for the team. Yet few bibliographies updated about the activities of professionals facing the infantile autism or autism, with the vast majority of the bibliographies of the 90. Porting's reality resulted in the interest of investigating more about this with the desire to deepen the knowledge forward to assistance for children with autism, seeking ways and means to assist the assistance provided by the multidisciplinary team, and also to identify the activities of the multidisciplinary team in front of the infantile autism. Is a qualitative study, based on data analysis, lifted and obtained through a semi-structured interview with 10 professionals working in an educational institution for children with autism to a city in the extreme south of Santa Catarina. The analysis data were collected from content analysis, categorization of data, sorting, grading and final analysis of the data searched. Resulting in the multidisciplinary team in exercise interventions that assist the bearer of autism to reduce the incidence of inappropriate behaviors, these interventions are performed through methods to achieve the goals of teaching and learning, assist in social interaction and stimulate the limitations that autistic children have.

Keywords: Infantile autism. Global development disorder. Multidisciplinary team.


Palavras-chave


Autismo infantil. Transtorno Global do desenvolvimento. Equipe multiprofissional.

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION - APA. Manual Diagnóstico e estatístico de Transtornos Mentais: DSM-V. 5 ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.

ALVES, M. M. C.; LISBOA, D. O.; LISBOA, D. O. Autismo e inclusão escolar. 2010. Disponível em: Acesso em 06 dez. 2016.

BASTOS, Antonio Virgílio Bittencourt. Trabalho e qualificação: questões conceituais e desafios postos pelo cenário de reestruturação produtiva. In: BORGES-ANDRADE, Jairo E.; ABBAD, Gardênia da Silva; MOURÃO, Luciana (org.). Treinamento, desenvolvimento e educação em organizações e trabalho: fundamentos para a gestão de pessoas. Porto Alegre: Artmed, 2006. Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2017.

CAMARGOS, Jr. et al. Transtornos invasivos do desenvolvimento: 3° milênio. Brasília: Corde, 2005.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. Disponível em: < http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf >. Acesso em: 28 mai. 2017.

BOSA, Cleonice Alves. Autismo: Intervenções Psicoeducacionais, Revista Brasileira de Psiquiatria, Rio de Janeiro, v. 28, Supl. I, p. S47-53, 2006. Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2017.

CAIXETA, Juliana Eugênia et al. Formação de professores de ciências: a experiência da disciplina “O Educando com Necessidades Especiais” na X semana de extensão da Universidade de Brasília. In: CONGRESSO IBEROAMERICANO DE EXTENSION UNIERSITÁRIA, 11. 2011, Santa Fé. Mesa redonda. Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2017.

CARNIEL, Elenice Lorenzi; SALDANHA, Letícia Beck; FENSTERSEIFER, Lísia Maria. A atuação do enfermeiro frente à criança autista. Revista Pediatria, São Paulo, v. 32, n. 4, p. 255-260, out.-dez. 2010.

CARVALHO, Fausto Flor. Acidentes infantis: Relatos de diretores e Professores do Ensino Fundamental e Análise do Material Didático. 2008. 103 f. Dissertação (Mestrado em Educação)-Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Marília, 2008. Disponível em:

CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

FERNANDES, Salomé Frederica da Silva Neto. A adequabilidade do modelo TEACCH para a promoção do desenvolvimento da criança com autismo. 2010. 61 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Educação especial)-Escola Superior de Educação Paula Frassinetti, Porto, 2010. Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2017.

KNOBEL, E. Condutas do paciente grave. 3. ed. São Paulo: E.P.U, 2002.

LEOPARDI, Maria Tereza. Metodologia da Pesquisa na Saúde. Santa Maria, RS: Pallotti, 2002.

KISHIMOTO, Tizuco M. O jogo e a educação infantil. São Paulo: Pioneira

Thomson Learning, 2003.

MELLO, Ana Maria et al. Retratos do autismo no Brasil. São Paulo: AMA, 2013.

MINAYO, Maria Cecilia de Souza. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 28 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

NIGHTINGALE, Florence. Notas sobre enfermagem. Tradução por Amália Correa de Carvalho. São Paulo: Cortez, 1989.

OLIVEIRA, N. Fundamentos do socorro pré- hospitalar. Chapecó: Grifos, 1999.

PAROLIM, Isabel. As dificuldades de aprendizagem e as relações familiares. Livro da 5ª Jornada de Educação do Norte e Nordeste. Fortaleza, 2003, p.91-99.

SCHWARTZMAN, José Salomão et.al. Autismo Infantil. São Paulo: Memnon, 1995.

SILVARES. E. F. M. Estudos de caso em psicologia clínica comportamental infantil. Campinas: papiros, 2000. Psicologia Escolar e Educacional, Campinas, v. 5, n. 1, jun. 2001. Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2017.

TOMÉ, M.C. Educação física como auxiliar no desenvolvimento cognitivo e corporal de autistas. Movimentos e percepção, Espírito Santo do Pinhal, v.8, n.11, 2007.

VEIGA, I. P. A. (Org.) Projeto Político Pedagógico – Uma Construção Possível Campinas, SP: Papirus, 1997.

ZARIFIAN, P. O modelo de competência: trajetória histórica, desafios atuais e propostas. São Paulo: SENAC, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.33362/ries.v7i1.1223

Direitos autorais 2018 Revista Interdisciplinar de Estudos em Saúde

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN: 2238-832X

-------------------------------------------------------------

Universidade Alto Vale do Rio do Peixe (UNIARP)
Rua Victor Baptista Adami, 800 - Centro
CEP: 89500-000 - Cx. Postal 232 - Fone: (49) 3561-6200
E-mail: uniarp@uniarp.edu.br

Copyright © 2010 UNIARP. Todos os direitos reservados.