FORMAÇÃO DO FISIOTERAPEUTA PARA A ATENÇÃO BÁSICA

Liliam Rosany Medeiros Fonseca Barcellos, Natalia Lujan Ferraz, Érica Midori Ikegami, Lislei Jorge Patrizzi, Isabel Aparecida Porcatti de Walsh, Suraya Gomes Novais Shimano

Resumo


O presente estudo teve como objetivo analisar o preparo para atuação na Atenção Básica (AB), por parte de graduandos do último ano e docentes do curso de Fisioterapia de Instituições de Ensino Superior (IES) pública e privadas de uma cidade de médio porte de Minas Gerais. Pesquisa transversal realizada por meio de entrevistas individuais com 64 graduandos e 28 docentes que responderam um questionário semiestruturado com aspectos sobre a atuação do fisioterapeuta para a AB. Os resultados revelaram que os graduandos acreditam que as disciplinas cursadas relacionadas a AB foram suficientes para atuar nesse nível de atenção, ao contrário dos docentes, que acreditam que seus discentes não estão aptos para intervir. A opinião dos graduandos que julgam o tempo de estágio na AB adequado foi bem próxima daqueles que não. Referente as atividades extraclasse relacionadas a AB, essas ainda são escassas. Os docentes conseguem fazer associações entre as disciplinas que ministra com a AB e durante sua formação tiveram disciplinas relacionadas, mas essas não forneceram bases para a prática. Espera-se que os achados contribuam para o direcionamento de ações no campo acadêmico, visando a proposição de mudanças nos currículos dos cursos, ampliação do conhecimento sobre esse nível de atenção e auxílio na formação de um profissional em consonância com os princípios do SUS e da AB, rompendo com o caráter estritamente reabilitador da profissão.

PHYSIOTHERAPIST FORMATION FOR PRIMARY CARE

ABSTRACT
The present study had as objective to analyze the preparation for action in Primary Care (PC) by undergraduate students of the last year and professors of the physiotherapy course of Institutions of Higher Education (IHE) of public and private sectors of a medium-sized city of Minas Gerais. Cross-sectional research was carried out through individual interviews with 64 undergraduates and 28 teachers who answered a semi-structured questionnaire with aspects about the physiotherapist’s performance for PC. The results showed that undergraduates believe that the disciplines studied related to PC were sufficient to act at this level of attention, unlike the teachers, who believe that their students they are not able to intervene. The opinion of graduates judging the appropriate internship time in PC was very close to those who did not. Regarding extraclass activities related to PC, these are still scarce. Teachers are able to make associations between the disciplines that they minister with PC and during their formation had related disciplines, but these did not provide bases for the practice. It is hoped that the findings contribute to the direction of actions in the academic field, aiming at proposing changes in the curricula of the courses, expanding knowledge about this level of attention and assisting in the formation of a professional in harmony with the principles of the Single System of Health (SSH) and PC, breaking with the strictly rehabilitating
character of the profession.

KEYWORDS: Physical therapists. Health human resource raining. Primary health care


Palavras-chave


Fisioterapeutas; Capacitação de Recursos Humanos em Saúde; Atenção Primária à Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, S. M.; MARTINS, A. M.; ESCALDA, P. M. Integralidade e formação para o Sistema Único de Saúde na perspectiva de graduandos em Fisioterapia. Fisioterapia e Pesquisa, v. 21, n. 2, p. 271-278, 2014.

ALVES, H. N. S.; RIBEIRO, M. T. G.; MAIA FILHO, A. L. M. Percepção de estudantes do curso de fisioterapia de uma instituição privada sobre sua formação profissional para atuação no Sistema Único de Saúde. Revista Saúde em Foco, v. 3, n. 1, p. 20-35, 2016.

BATISTON, A. P. et al. Implantação de uma nova proposta pedagógica para o estágio supervisionado em Fisioterapia na Atenção Básica: relato de experiência. Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia, v. 4, n. 8, p. 49-55, 2017.

BISPO JÚNIOR, J. P. Fisioterapia e saúde coletiva: desafios e novas responsabilidades profissionais. Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, p. 1627-1636, 2010.

BRASIL. Decreto Lei 938 de 13 de outubro de 1969. Provê sobre as profissões de fisioterapeuta e terapeuta ocupacional e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 14 out. 1969. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/1965-1988/Del0938.htm>. Acesso em: 28 jan. 2017.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 05 de outubro de 1988. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Título VIII. Da Ordem Social. Capítulo II. Seção II. Da Saúde. Arts 196-200. Brasília, DF, 1988. Disponível em: . Acesso em: 26 jan. 2017.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação Superior. Resolução CNE/CES nº 4, de 19 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Fisioterapia. Disponível em:< http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES042002.pdf>. Acesso em: 25 jan. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria Interministerial nº 421, de 03 de março de 2010. Institui o Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde) e dá outras providências. Diário Oficial da União. 2010. Disponível em:< http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2010/pri0421_03_03_2010.html>. Acesso em: 30 jan. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, DF, 2017. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2019.

CARVALHO, V. L.; TOMAZ, J. M. T.; TAVARES, C. H. F Interprofissionalismo e interdisciplinaridade na formação acadêmica: a percepção dos formandos em fisioterapia. Journal of Nursing UFPE online, v. 12, n.4, p. 908-915, 2018.

COFFITO. Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. Esboço de Minuta das Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação, bacharelado, em Fisioterapia. Brasília, 2017. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2018.

EVANGELISTA, D. L.; IVO, O. P. Contribuições do estágio supervisionado para a formação do profissional de enfermagem: expectativas e desafios. Revista Enfermagem Contemporânea. v. 3, n. 2, p. 123-130, 2014.

FERREIRA, R. C.; FIORINI, V. M. L.; CRIVELARO, E. Formação profissional no SUS: o papel da Atenção Básica em Saúde na perspectiva docente. Revista brasileira de educação médica, v. 34, n. 2, p. 207-2015, 2010.

FONSECA, J. M. A. et al. A Fisioterapia na Atenção Primária à Saúde: uma revisão integrativa. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, v. 29, n. 2, p. 288-294, 2016.

GAUER, A. P. M. et al. Ações de reorientação da formação profissional em Fisioterapia: enfoque sobre cenários de prática. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, v. 22, n. 65, p.565-576, 29 jun. 2017.

GONÇALVES, F. G.; CARVALHO, B. G.; TRELHA, C. S. O ensino da Saúde Coletiva na Universidade Estadual de Londrina: da análise documental à percepção dos estudantes. Trabalho Educação e Saúde, v. 10 n. 2, p. 301-314, 2012.

MAIA, F. E. S. et al. A importância da inclusão do profissional Fisioterapeuta na atenção básica de saúde. Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, v. 17, n. 3, p. 110-115, 2015.

McMAHON, S. et al. Standing on the Precipice: Evaluating Final-Year Physiotherapy Students' Perspectives of Their Curriculum as Preparation for Primary Health Care Practice. Physiother Canada, v. 68 n. 2, p. 188-196, 2016.

PAIM, J. et al. O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios. Lancet. (Série Brasil). p. 11-31, 2011. Disponível em: . Acesso em: 25 abr. 2019.

PIMENTEL, D. M.; SILVA, C. C.; LIMA NETO, E. A. Bases metodológicas da formação em Fisioterapia: discutindo o distanciamento entre os processos de formação e a utilização da força de trabalho. Tempus Actas de Saúde Coletiva, v. 10, n. 2, p.47-65, 7 jul. 2016.

RIBEIRO, C. D.; FLORES-SOARES, M. C. Desafios para a inserção do fisioterapeuta na atenção básica: o olhar dos gestores. Revista de Salud Pública, v. 17, n. 3, p.379-393, 18 nov. 2015.

SILVA, C. V. P.; ALMEIDA, M. M. C. Fisioterapia e saúde coletiva: uma análise crítica da produção científica no Brasil. Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia, v. 3, n. 5, p. 32-40, 2016.

SERIANO, K. N.; MUNIZ, V. R. C. M.; CARVALHO, M. E. I. M. Percepção de estudantes do curso de fisioterapia sobre sua formação profissional para atuação na atenção básica no Sistema Único de Saúde. Fisioterapia e Pesquisa, v. 20, n. 3, p. 250-255, 2013.

SOUZA, M. C. et al. Formação acadêmica do fisioterapeuta para atenção básica. Revista UNILUS Ensino e Pesquisa, v. 11, n. 23, p. 59-69, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.33362/ries.v8i2.1481

Direitos autorais 2019 Revista Interdisciplinar de Estudos em Saúde

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN: 2238-832X

-------------------------------------------------------------

Universidade Alto Vale do Rio do Peixe (UNIARP)
Rua Victor Baptista Adami, 800 - Centro
CEP: 89500-000 - Cx. Postal 232 - Fone: (49) 3561-6200
E-mail: uniarp@uniarp.edu.br

Copyright © 2010 UNIARP. Todos os direitos reservados.