PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS ATENDIMENTOS ANTIRRÁBICOS HUMANOS NO MUNICÍPIO DE CHAPECÓ, SC

Fabíola Inês Salvi, Jéssica Moreira de Paula, Junir Antônio Lutinski, Douglas Michel Muller Fritzen, Karina Giachini, Francis Maira Schabat, Maria Assunta Busato

Resumo


A raiva se destaca dentre as zoonoses pela sua letalidade. Pesquisas sobre a dispersão, transmissão viral e hospedeiros têm ajudado as autoridades de saúde na adoção de medidas de controle. Neste contexto, este estudo teve como objetivo descrever o perfil das pessoas que tiveram atendimento antirrábico no município do Chapecó, SC. Foram avaliados os acidentes registrados no período de 2012 a 2016, fornecidos pela Vigilância Epidemiológica de Chapecó, SC. Foram avaliadas variáveis relativas às faixas etárias, ocupação e sexo. Ao todo, 2430 notificações foram avaliadas. As faixas etárias mais acometidas foram de crianças entre 1 e 14 anos e de adultos em idade economicamente ativa, 20 a 59 anos. Os atendimentos foram mais frequentes em estudantes (16,5%) e aposentados ou pensionistas (9,3%). O sexo masculino foi o mais acometido nos anos de 2012, 2013 e 2014, enquanto em 2015 e 2016 foi o sexo feminino. Considerando o papel dos cães como reservatórios do vírus da raiva, emerge a necessidade de ações voltadas para o bem-estar animal e para a prevenção de acidentes. A frequência dos atendimentos envolvendo crianças indica a vulnerabilidade desta faixa etária enquanto acidentes envolvendo adultos implica em perdas econômicas associadas aos dias parados de trabalho.

Palavras-chave: Acidentes. Promoção da saúde. Zoonoses.

 

ABSTRACT: Rabies stands out among zoonoses for their lethality. Research on dispersal, viral transmission and hosts have helped health authorities in adopting control measures. In this context, this study aimed to describe the profile of people who had anti-rabaric care in the municipality of Chapecó, SC. We evaluated the accidents recorded in the period from 2012 to 2016, provided by the Epidemiological Surveillance of Chapecó, SC. Variables related to age groups, occupation and sex were evaluated. In all, 2,430 notifications were evaluated. The most affected age groups were children between 1 and 14 years old and adults in economically active age, 20 to 59 years. The attendances were more frequent in students (16.5%) and retirees or pensioners (9.3%). Males were the most affected in the years of 2012, 2013 and 2014, while in 2015 and 2016, changes to females. Considering the role of dogs as reservoirs of the rabies virus, it’s necessary actions aimed at animal welfare and the prevention of accidents. The frequency of attendances involving children indicates the vulnerability of this age group while accidents involving adults imply economic losses associated with the unemployed days.

Keywords: Accidents. Health promotion. Zoonoses.


Palavras-chave


acidentes; promoção da saúde, zoonoses

Texto completo:

PDF

Referências


BUSATTO, V. M.; MORIWAKI, A. M.; MARTINS, D. A. C. HORÁCIO, P. M.; UCHIMURA, N. S.; UCHIMURA, T. T. Perfil do tratamento profilático antirrábico humano no sul do Brasil. Ciência Cuidado e Saúde, v. 13, n. 4, p. 617-624, 2014.

BUSO, D. S.; NUNES, C. M.; QUEIROZ, L. H. Características relatadas sobre animais agressores submetidos ao diagnóstico de raiva, São Paulo, Brasil, 1993-2007. Cadernos Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 25, n.12, p. 2747-2751, 2009.

BRASIL. Unidade Técnica de Zoonoses (UT Zoonoses) – Mapas da Raiva no Brasil. Brasilia: Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis (DEVIT). Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis (CGDT), 2016. 13 p.

CAVALCANTE, K. K.; FLORÊNCIO, C. M.; ALENCAR, C. H. Profilaxia antirrábica humana pós-exposição: características dos atendimentos no estado de Ceará, 2007-2015. Journal Health Biology and Science, v. 5, n. 4, p. 337-345, 2017.

DEL CIAMPO, L. A.; RICCOA, R. G.; ALMEIDA, C. A. BONILHA, L. R. de C. M.; SANTOS, T. C. C. Acidentes de mordeduras de cães na infância. Revista Saúde Pública, v. 34, n. 4, p. 411-412, 2000.

FERRAZ, L.; BUSATO, M. A.; FERRAZZO, J. F.; RECH, A. P.; SILVA, P. S. da. Notificações dos atendimentos antirrábico humano: perfil das vítimas e dos acidentes. HYGEIA: Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, v. 9, n.16, p.182 - 189, 2013.

FRIAS, D. F. R.; LAGES, S. L.; CARVALHO, A. A. B. Avaliação da conduta de profilaxia antirrábica indicada para pessoas envolvidas em agravos com cães e gatos no município de Jaboticabal, SP, no período de 2000 a 2006. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 14, n. 4, p. 722-32, 2011.

FRIAS, D. F. R.; CARVALHO, A. A. B.; NUNES, J. O. R. Proposta de nova metodologia de apoio para indicação racional de profilaxia antirrábica. Arquivos de Ciências da Saúde UNIPAR, v. 20, n. 1, p. 9-18, 2016.

GOMES, A. P.; ESPERIDIÃO-ANTONIO, V.; MENDONÇA, B. G.; BENEDITO, H. P. L.; VITORINO, R. R.; PRADO, M. R. M. C.; PRADO JUNIOR, P. P.; HENRIQUES, B. D.; SANTANA, L. A. Raiva Humana. Revista Brasileira de Clínica Médica, v. 10, n. 4, p. 334-40, 2012.

HADDAD JUNIOR, V.; CAMPOS NETO, M. F.; MENDES, A. L. Mordeduras de animais (selvagens e domésticos) e humanas. Revista de Patologia Tropical, v. 42, n. 1, p. 13-19, 2013.

LIMA, E. C. F.; FARIA, M. D.; MORAIS, R. M. R. B. L.; OLIVEIRA, L. M. S. R.; LIMA, E. H. F.; COSTA, C. S. Interações entre meio ambiente, atendimentos antirrábicos e acidentes por animais peçonhentos no município de Petrolina (PE). Saúde Meio Ambiente, v. 6, n. 1, p. 54-70, 2017.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Cidades. Disponível em http://cidades.ibge.gov.br/v3/cidades/home-cidades. Acesso 20 de dez. 2017.

LOPES, J. T. S.; SILVA, S. B.; MOTA, D.; VALENTE, S. F.; VILGES, K. M. A.; OLIVEIRA, S. V.; ARAÚJO, W. N.; PINTO JUNIOR, V. L. Análise dos acidentes por animais com potencial de transmissão para raiva no município de Caçapava do Sul, Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Medicina e Saúde de Brasília, v. 3, n. 3, p. 210‐23, 2014.

MOUTINHO, F. F. B.; NASCIMENTO, E. R.; PAIXÃO, R. L. Raiva no Estado do Rio de Janeiro, Brasil: análise das ações de vigilância e controle no âmbito municipal. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20, n. 2, p. 577-586, 2015.

OLIVEIRA, V. M. R.; PEREIRA, P. L. L.; SILVA, J. A.; MIRANDA, C. F. J.; RODRIGUES, K. O.; RODRIGUES, T. O.; MOREIRA, E. C. Mordedura canina e atendimento antirrábico humano em Minas Gerais. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 64, n. 4, p. 891-898, 2012.

PARANHOS, N. T.; SILVA, E. A.; BERNARDI, F.; MENDES, M. C. N. C.; JUNQUEIRA, D. M. A. G.; SOUZA, I. O. M.; ALBUQUERQUE, J. O. M.; ALVES, J. C. M.; MACHADO, M. N. P. Estudo das agressões por cães, segundo tipo de interação entre cão e vítima, e das circunstâncias motivadoras dos acidentes, município de São Paulo, 2008 a 2009. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 65, n. 4, p. 1033-1040, 2013.

PEREIRA, J.; BOSCHETTI, M. A.; PEREIRA, J. Estratégias de gestão para melhoria no atendimento antirrábico humano em Florianópolis. In: PEREIRA, M. F.; COSTA, A. M.; MORITZ, G. O.; BUNN, D. A. (org). Contribuições para a Gestão do SUS. Gestão da Saúde Pública. Florianópolis: Fundação Boiteux, v. 10, 2016.

QUEIROZ, L. H.; BUSO, D. S.; SILVA, J. E. Aspectos epidemiológicos das agressões por cães sob o ponto de vista do cão agressor e das vítimas. Veterinária e Zootecnia, v. 20, n. 3, p. 296-306, 2013.

SANTOS, C. V. B.; MELO, R. B.; BRANDESPIM, D. F.. Perfil dos atendimentos antirrábicos humanos no agreste pernambucano, 2010-2012. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 26, n. 1, p.161-168, 2017.

SILVA, G. M.; BRANDESPIM, D. F.; ROCHA, M. D. G.; LEITE, R. M. B.; OLIVEIRA, J. M. B. Notificações de atendimento antirrábico humano na população do município de Garanhuns, Estado de Pernambuco, Brasil, no período de 2007 a 2010. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 22, n. 1, p. 95-102, 2013.

SILVA, C. J.; BELO, M. A. A. Censo canino e felino: sua importância no controle de zoonoses na cidade de Cacoal – RO. Enciclopédia Biosfera, v. 11 n. 21, p. 3368-3373, 2015.

SILVA, A. F.; COSTA, E. C. Acidentes rábicos: Um olhar sobre os fatores desencadeantes e seu mapeamento territorial em um município do Estado do Ceará. In: PEREIRA, M. F.; COSTA, A. M.; MORITZ, G. O.; BUNN, D. A. (org). Contribuições para a Gestão do SUS. Gestão da Saúde Pública. Florianópolis: Fundação Boiteux, v. 10, 2016.

VELOSO, R. D.; AERTS, D. R. G. C.; FETZER, L. O.; ANJOS, C. B.; SANGIOVANNI, J. C. Motivos de abandono do tratamento antirrábico humano pós-exposição em Porto Alegre (RS, Brasil). Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, n. 2, p.537-546, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.33362/ries.v7i1.1491

Direitos autorais 2018 Revista Interdisciplinar de Estudos em Saúde

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN: 2238-832X

-------------------------------------------------------------

Universidade Alto Vale do Rio do Peixe (UNIARP)
Rua Victor Baptista Adami, 800 - Centro
CEP: 89500-000 - Cx. Postal 232 - Fone: (49) 3561-6200
E-mail: uniarp@uniarp.edu.br

Copyright © 2010 UNIARP. Todos os direitos reservados.