ANÁLISE COMPARATIVA DE DESCARTE MEDICAMENTOSO PROMOVIDO POR UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR EM PARCEIRA COM ÓRGÃOS PÚBLICOS E PRIVADOS DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR- SC.

Emyr Hiago Bellaver, Vilmair Zancanaro, Elisete Ana Barp

Resumo


RESUMO: Incontestável mostrou-se o avanço da ciência médica nos últimos anos, principalmente no que diz respeito à produção de fármacos para tratamento e profilaxia de patologias. O Brasil é um grande consumidor de medicamentos, e estima- se que cerca de 20% do montante medicamentoso seja descartado na rede de esgoto sanitário ou no lixo doméstico por pacientes que não realizam por completo a terapia medicamentosa, os quais descartam a maioria deste medicamento ainda intacto. Embora não se conheça ao certo a gravidade que este tipo de poluição provoca, estudos especulam que esta poluição hídrica possa interferir no comportamento hormonal de seres aquáticos, pelo descarte indevido de estrógenos e outros hormônios sexuais sintéticos, na microflora hídrica residente, e também levando ao aparecimento de bactérias multirresistentes ao leque antimicrobiano disponível. Com o objetivo de estabelecer uma comparação do descarte medicamentoso entre os anos de 2013 e 2014 o presente artigo está embasado no projeto: “Lixo Farmacêutico: Conscientização, recolhimento e descarte de medicamentos vencidos no município de Caçador/SC” em parceria com a Secretaria de Saúde e a Farmácia Pública Popular Municipal. Desenvolvido no ano de 2013 pela Universidade do Alto Vale do Rio do Peixe- UNIARP o projeto visou à arrecadação de medicamentos em postos de saúde e na própria Instituição de Ensino. Em sua continuidade, no ano de 2014, o projeto contou com a parceria de mais postos de saúde e algumas empresas privadas do município, recolhendo um total de 92,5 Kg de medicamentos em 2014.

Palavras-chave: Descarte de medicamentos. Lixo farmacêutico. Resíduos de saúde.

 

ABSTRACT: The development of the Medical Science in the last years has been incontestable, especially regarding the production of drugs for treatments and prophylaxis of pathologies. Brazil is a major consumer of drugs, it is estimated that about 20% of the drug amount is discarded in the sewage system or household waste by patients who do not achieve completely drug therapy eliminating the majority of this product still intact.. Although the impact that this kind of pollution causes is not known for sure, there is speculation in studies showing that the water pollution can change the hormonal behavior of water beings. This happens due to the improper dumping of estrogen and other synthetic sexual hormones, the resident micro flora, and even leading to the creating of resistant bacteria to the current range of antimicrobials available. In order to establish a comparison of drug disposal between the years 2013 and 2014, this article is based on the project: "Pharmaceutical Waste: Awareness, collection and disposal of expired medications in the city of Caçador- SC" in partnership with the Department of Health and the Public Municipal Pharmacy developed by the University Alto Vale do Rio do Peixe - UNIARP. Developed in 2013, the project aims the collection of drugs in health centers and in the education institution itself, in 2014, continuing the project with the partnership of more health centers and some local private companies, collecting a total of 92.5 kg of drugs in 2014.

Keywords: Drug disposal. Pharmaceutical waste. Health waste.


Palavras-chave


DESCARTE DE MEDICAMENTOS, LIXO FARMACÊUTICO, RESÍDUOS DE SAÚDE.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Agência Europeia do Ambiente. Sobre Resíduos e recursos materiais. Disponível em: < http://www.eea.europa.eu/pt/themes/waste/about-waste-andmaterial-resources > Acesso em: Jan. 2015.

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Disponível em:

Acesso em: Jan. 2015.

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC nº 210 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Dispõe sobre o regulamento técnico das Boas Práticas para a Fabricação de Medicamentos. Diário Oficial da União 2003.

ALVARENGA, L. S. V.; NICOLETTI, M. A. Descarte doméstico de medicamentos e algumas considerações sobre o impacto ambiental decorrente. Revista Saúde, 4(3), 2010.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - ABNT. NBR 10.004 - Resíduos Sólidos – Classificação. Rio de Janeiro, 71p, 2004.

BILA, D.M., DEZOTTI, M. Fármacos no meio ambiente. Quim. Nova, Vol. 26, No. 4, 523-530, 2003.

BILA, D.M, DEZOTTI, M. Identificação de Fármacos e Estrogênios Residuais e Suas

Conseqüências no Meio Ambiente. In: Programa de Engenharia Química/COPPEUFRJ. Fronteiras da Engenharia Química. 1ª Edição. Rio de Janeiro: E-papers; 2005. p. 141-175.

BOER, N., FERNANDES, B.O. Descarte de medicamentos: um modelo de logística reversa. Atos do Congresso Responsabilidade e Reciprocidade – ISSN 22374582. 2011.

BUENO, C.S et al. Farmácia caseira e descarte de medicamentos no bairro Luiz Fogliatto do município de Ijuí - RS.Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e aplicada, Rio Grande do Sul, v. 30, n. 2, p. 75-82, 2009.

CALDEIRA, Décio. PIVATO, Leandro Silva. Descarte de Medicamentos Domiciliares Vencidos: O que a Legislação Preconiza e o que Fazer? UNINGÁ, Unidade de Ensino Superior Ingá, Maringá, 2010.

CARVALHO, F. Impacto dos medicamentos no ambiente. Mundo Farmacêutico, pg. 12-13. Out. 2006.

COLBORN, T., DUMANOSKI, D., MYERS, J.P. O futuro roubado. Porto Alegre: L&PM; 2002.

EICKHOFF, PATRÍCIA; HEINECK, ISABELA; SEIXAS, LOUISE M. Gerenciamento e Destinação Final de Medicamentos: uma discussão sobre o problema. Revista Brasileira de Farmácia, v. 90, n. 1, p. 64 – 68, 2009.

FALQUETO, E. et al.. Como realizar o correto descarte de resíduos de medicamentos? Ciência & Saúde Coletiva, 15 (Supl. 2): 3283-3293, 2010.

FALQUETO, E., KIGERMAN, D.C. Diretrizes para um programa de recolhimento de medicamento vencidos no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 18(3):883-892, 2013.

FAWELL J. K.; SHEAHAN, D.; JAMES, H. A.; HURST, M.; SCOTT, S.; Oestrogens and oestrogenic activity in raw and treated water in severntrent water. Wat. Res. Vol. 35, No. 5, pp. 1240–1244, 2001.

FERREIRA, J. A. Resíduos sólidos e lixo hospitalar: Uma discussão ética. Cad. Saúde Públ. v.11 n.2, Rio de Janeiro, abr./jun. 2005.

GASPARINI, J.C et al. Estudo do descarte de medicamentos e consciência ambiental no município de Catanduva-SP. Ciência & Tecnologia: FATEC-JB, Jaboticabal, v. 2, n. 1, p. 38-51, 2011. ISSN 2178-9436.

GIMENO, S., KOMEN, H., JOBLING, S., SUMPTER, J., BOWMER, T. Demasculinisation of sexually mature male common carp, Cyprinuscarpio, exposed to 4-tert-pentylphenol during spermatogenesis. Aquat. Toxicol. 1998.

KORB, A., GELLER, B.M.R., O conhecimento como fator determinante para o enfrentamento dos problemas ambientais e de saúde. XI Congresso Nacional de Educação – EDUCERE/PUCPR; 2009.

PROENÇA, P.N.P. Resíduos de medicamentos: estudo de caso sobre comportamentos, atitudes e conhecimentos. UNIV. Portugal. 2011.

RIBEIRO, M.A. Descarte de medicamentos vencidos ou não utilizados: riscos e avanços recentes. Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Goiás- GO. 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.33362/ries.v5i2.812

Direitos autorais 2017 Revista Interdisciplinar de Estudos em Saúde

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN: 2238-832X

-------------------------------------------------------------

Universidade Alto Vale do Rio do Peixe (UNIARP)
Rua Victor Baptista Adami, 800 - Centro
CEP: 89500-000 - Cx. Postal 232 - Fone: (49) 3561-6200
E-mail: uniarp@uniarp.edu.br

Copyright © 2010 UNIARP. Todos os direitos reservados.