INVENTÁRIO DE MAMÍFEROS SILVESTRES E EXÓTICOS DE MÉDIO E GRANDE PORTE NA FLORESTA NACIONAL (FLONA) CAÇADOR/SC.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33362/ext.v11i1.3184

Resumo

O futuro dos mamíferos silvestres é incerto devido ao avanço antrópico sobre os ecossistemas naturais e a consequente redução dos bosques, florestas e áreas protegidas, dividindo-as em áreas menores ou fragmentadas. O objetivo foi inventariar as espécies de mamíferos de médio e grande porte na Floresta Nacional (FLONA) de Caçador, identificando potenciais ameaças da fauna exótica doméstica e selvagem fornecendo dados científicos para subsidiar a elaboração e implantação do plano de manejo. A área foi dividida em zonas de acordo com estradas já existentes, sendo aplicadas metodologias de transecto, busca direta e indireta. Foram coletadas informações em campo durante doze meses no período diurno 07:00 às 14:00 resultando na identificação de 15 espécies nativas destacando-se Leopardus guttullus (Hensel, 1872), Puma concolor (L., 1771), Mazama gouazoubira (Fischer, 1814), Leopardus wiedii (Schinz, 1821) e Eira barbara (L., 1758) para espécies silvestres, e Felix catus, Canis familiaris e Equs caballus exóticos domésticos e Axis axis exótico selvagem. Os índices empregados foram a curva de rarefação de Mao Tao que encontrou S= 15  levando em consideração espécies nativas, com índice de confiança de 95%. Para estimar a riqueza da área propomos o método Jackkniffe1 que encontrou S= 17, levando em consideração o desvio padrão de 2,145 e, ajustando esse valor para S= 15,086. Para exóticos foi proposto a equação de frequência de ocorrência: nº ocorrência da espécie / nº total de registros X 100. O estudo possibilitou identificar espécies da mastofauna presentes na FLONA de Caçador e estes dados serão incluídos no plano de manejo sendo os primeiros registros desde a fundação da Unidade de Conservação.

Referências

AGROFLORESTA, ECOLOGIA E SOCIEDADE / organizador Walter Steenbock... et al. ; colaboradores Carlos Eduardo Seoane, Luís Cláudio Maranhão Froufe.— Curitiba : Kairós, 2013.

APREMAVI.ORG. Lista de espécies. Disponível em: https://apremavi.org.br/institucional/viveiro/lista-de-especies/. Acessado em: 28/01/2021.

BACHA, C. J. C. (2020). As unidades de conservação do Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural, 30(4), 339-358.

BARROS, A. B., & LOPES, A. M. C. (2022). Registro através de Armadilhamento Fotográfico para Puma concolor (Linnaeus, 1771), no município de Pouso Alegre MG. Revista Multidisciplinar de Educação e Meio Ambiente, 3(1), 1-7.

BÔLLA, D. A. S. et al. Mastofauna terrestre do sul de Santa Catarina: mamíferos de médio e

grande porte e voadores. Tecnologia e Ambiente, v. 23, p. 61-78, nov. 2017. Disponível em:

http://periodicos.unesc.net/tecnoambiente/article/view/3906. Acesso em: 09 mai. 2022.

CAMARGO, M. R. et al. Monitoramento da mastofauna de médio e grande porte no Parque Estadual Rio Canoas no município de Campos Novos/SC. 2021.

CARDOSO, R. C. J. C. J., & WITT, N. G. D. P. M. (2022). Métodos de levantamentos quantitativos e qualitativos da avifauna. Caderno Intersaberes, 11(35), 96-110.

CAVALCANTI, S. M. C. DE PAULA, R. C. MORATO, R. L. G. 2015. Conflitos com Mamíferos Carnívoros. Atibaia, São Paulo, Brasil.

CHEREM, Jorge J., SIMOES-LOPES, Paulo C., ALTHOFF, Sérgio et al. Lista dos mamíferos do Estado de Santa Catarina, Sul do Brasil. Mastozool. Neotrop., jul./dic. 2004, vol.11, no.2, p.151-184. ISSN 0327-9383.

CHIARELLO, A. G. 2000. Density and population size of mammals in remnants of Brazilian Atlantic Forest. Conservation Biology, 14:1649-1657.

CONOVER, M. R. JAEGER, T. J. WELLER, e D. R. MCCULLOUGH. 1998. Effet of coyote removal on sheep depredation in northern California. Journal of Wildlife Management 62:690-699.

CULLEN JR. L., VALLADARES-PADUA, C., RUDRAN, R. Métodos de Estudos em Biologia da Conservação e Manejo da Vida Silvestre. – 2 ed. rev. Curitiba: Ed. Universidade Federal do Paraná, 2006.

Da Rosa, C. A., Fernandes-Ferreira, H., & Alves, R. R. N. (2018). O manejo do javali (Sus scrofa Linnaeus 1758) no Brasil: implicações científicas, legais e éticas das técnicas letais de controle de uma espécie exótica invasora. Biodiversidade Brasileira-BioBrasil, (2), 267-284.

DE DEUS MEDEIROS, João; SALEH, Zarah Khaled Abbas Dayeh. Fragmentação florestal: um estudo da ecologia da paisagem em Curitibanos (SC). Ágora: revista de divulgação científica, v. 16, n. 1, p. 20-37, 2009.

DE OLIVEIRA ROCHA, Rafael; ROCHA, Marcelo Borges. Levantamento de Espécies Exóticas em Unidades de Conservação: o Caso do Estado do Rio de Janeiro. Research, Society and Development, v. 8, n. 10, p. e408101406, 2019.

DE MIRANDA, G. H. B; RODRIGUES, F. H. G. Guia de Identificação de Pelos de Mamíferos brasileiros. Brasília – Ciências Forenses, 2014.

(DE MIRANDA, Guilherme HB; RODRIGUES, Flávio HG. Guia de identificação de pelos de mamíferos brasileiros. 2014.

DIRZO, R. & MIRANDA, A. Contemporary neotropical defaunation and the forest structure, function, and diversity – a sequel to John Terborgh Conservation Biology.

FACHINI, J.D.; D’AGOSTINI, F.M. Diversidade de mamíferos não-voadores em uma zona de transição de mata nativa e monocultura de Pinus elliottii no Município de Capinzal, SC. In: FAVRETTO, M.A.; SANTOS, E.B. dos (Org.). Estudos da fauna do oeste de Santa Catarina: microrregiões de Joaçaba e Chapecó .Campos Novos: Ed. dos Autores., 2013.

FAVRETTO, M.A.; GEUSTER, C.L. Observações ornitológicas no oeste de Santa Catarina, Brasil – parte I. Atualidades Ornitológicas Nº 143 - Maio/Junho 2008. Disponível em http://www.ao.com.br/download/ao143_49.pdf Acesso em dez. 2014.

FAVRETTO, M.A.; GUZZI, A. Aves. 2011. p. 118-170. In: FAVRETTO, M.A (org.) Parque Natural Municipal Rio do Peixe, Joaçaba, SC –volume I: Fauna de vertebrados. Joaçaba: Ed. do Autor, 2011.

FAVRETTO, M. A., & ONGHERO JR, O. (2022). Vertebrados terrestres do Rio Irani, Santa Catarina, Brasil: diagnóstico e conservação. Acta Biológica Catarinense, 9(2), 4-30. 2022.

FÉLIX, G. A., PIOVEZAN, U., QUADROS, J., JULIANO, R. S., ALVES, F. V., & FIORAVANTI, M. C. S. (2014). Thricology for identifying mammal species and breeds: Its use in research and agriculture.

FILHO, E. L. A. M., CONTE, C. E. (orgs.). Revisões em zoologia: Mata Atlântica – 1. ed. – Curitiba: Ed. UFPR, 2017. 490 p.: il. (algumas color.) (Série Pesquisa, 310).

FONSECA, G. A. B. Small mammal species diversity in brazilian Atlantic primary and secondary forest of differente sizes. Revista Brasileira de Zoologia, v. 6, n.3, p. 385-421, 1989.

FONSECA, GAB da. Lista anotada dos mamíferos do Brasil. Occas Papers Conserv Biol, v. 4, p. 1-38, 1996.

GLOBAL LAND ANALYSIS E DISCOVERY. Disponível em: << https://glad.umd.edu/gladmaps/globalmap.php>>. Acessado em: 30/09/2021.

Gonçalves, E. H., Capilé, K., Junior, V. D. P. A., & Molento, C. F. M. (2022). Legitimando cidades multiespecíficas: animais sinantrópicos na legislação brasileira e os caminhos para a conquista da cidadania. Revista Inclusiones, 9(3), 378-419.

GUZZI, A.; SEGALIN, C.A.; ONGHERO, O.J.; SPIER, E.F.; ZAGO, T.; FAVRETTO, M.A. Biodiversidade de vertebrados do baixo Rio do Peixe/SC. p. 193 – 210. Pesquisa financiada pela FAPESC e CT Hidro/ANA/CNPq, Projeto Rede Guarani/Serra Geral (Convênio FUNJAB/FAPESC 15.915/2007-8). Disponível em https://rgsgsc.files.wordpress.com/2013/11/guzzi_et_al_2011.pdf. Acesso em dezembro/2014.

ICMBio. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Disponível em: <https://www.icmbio.gov.br/portal/unidadesdeconservacao/biomas-brasileiros/mata-atlantica/unidades-de-conservacao-mata-atlantica/2217-flona-de-cacador>. Acessado em janeiro 2021.

IBAMA, FATMA; disponível em: https://documentos.mpsc.mp.br/portal/manager/resourcesDB.aspx?path=336; acessado em 03/09/2020).

KLEIN, D. L.G. Javali (Sus scrofa): a introdução, legislação e danos causados pela espécie no Brasil e avaliação preliminar da implementação da Portaria SAR n 37/2021 no controle sorológico da Peste Suína Clássica no estado de Santa Catarina. 2022.

LIVRO VERMELHO DA FAUNA BRASILEIRA AMEAÇADA DE EXTINÇÃO: Volume I / -- 1. ed. -- Brasília, DF: ICMBio/MMA, 2018. 492 p. : il., gráfs., tabs.

MARCHINI, S. O ECO: Por que conservar carnívoros?. Disponível em: <https://www.oeco.org.br/colunas/silvio-marchini/24893-por-que-conservar-carnivoros/>. Acessado em maio de 2020.

MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO, PREVENÇÃO E CONTROLE DE PREDAÇÃO POR CARNanual / Maria Renata Pereira Leite Pitman... [et al.]. – Brasília: Edições IBAMA, 2002.

MANTOVANI, Adelar; MORELLATO, L. Patrícia C.; REIS, Maurício S. dos. Fenologia reprodutiva e produção de sementes em Araucaria angustifolia (Bert.) O. Kuntze. Brazilian Journal of Botany, p. 787-796, 2004.

MARCHINI, S. MACDONALD, D. W. 2012. Predicting rancher’s intention to kill jaquars: case studies in Amazonia and Pantanal. Biological Conservation, 140:213-221.

MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO, PREVENÇÃO E CONTROLE DE PREDAÇÃO POR CARNÍVOROS Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Diretoria de Gestão Estratégica Centro Nacional de Informação, Tecnologia e Editoração Coordenação de Divulgação Técnico-Científica SAIN Av. L4 Norte, s.n., Edifício Sede - Bloco B - Edições IBAMA CEP 70.800-200 Brasília - DF Telefones: (61) 316-1065 FAX: (61) 316-1249 Brasília 2002 Impresso no Brasil Printed in Brazil (Maria Renata Pereira Leite Pitman Tadeu Gomes de Oliveira Rogério Cunha de Paula Cibele Indrusiak).

Downloads

Publicado

2023-11-07

Como Citar

COPINI, A. C.; DE OLIVEIRA TAVELA, A.; MARCHIORO, C. A. INVENTÁRIO DE MAMÍFEROS SILVESTRES E EXÓTICOS DE MÉDIO E GRANDE PORTE NA FLORESTA NACIONAL (FLONA) CAÇADOR/SC. . Extensão em Foco (ISSN: 2317-9791), [S. l.], v. 11, n. 1, p. 66–83, 2023. DOI: 10.33362/ext.v11i1.3184. Disponível em: https://periodicos.uniarp.edu.br/index.php/extensao/article/view/3184. Acesso em: 21 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos