FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EM CRIANÇAS BRASILEIRAS: revisão integrativa

Autores

  • Lílian Corrêa Costa Beber
  • Daiana Meggiolaro Gewehr
  • Luana Cecconello
  • Maicon Machado Sulzbacher
  • Thiago Gomes Heck
  • Evelise Moraes Berlezi

DOI:

https://doi.org/10.33362/ries.v9i1.1660

Palavras-chave:

Saúde da Criança. Doenças Respiratórias. Poluentes Atmosféricos. Mudança Climática.

Resumo

As doenças respiratórias estão entre as principais causas de internação hospitalar de crianças, que são mais suscetíveis ao desenvolvimento de doenças respiratórias graves. Diversos fatores podem influenciar na sua incidência, comportamentais, ambientais, como a exposição à poluição atmosférica e as variações climáticas. O objetivo desse trabalho foi elencar fatores de risco que contribuem para a incidência de doenças respiratórias em crianças brasileiras. Foi realizada revisão integrativa da literatura, com a pergunta norteadora: “Quais os principais fatores de risco para doenças respiratórias em crianças brasileiras?”. Foram incluídos na revisão 20 artigos. Quanto aos fatores associados as doenças respiratórias, 50% (10) referiram a poluição e queimadas, 20% (04) a condições climáticas naturais, 15% (03) a infecções virais, 10% (02) a fatores comportamentais e/ou domésticos e 10% (02) mencionaram a história da doença na família. Dos estudos que investigaram a poluição atmosférica, 88,8%, evidenciaram que há um aumento na incidência de eventos respiratórios mesmo em níveis que não são considerados danosos pela Organização Mundial da Saúde. A poluição atmosférica foi o principal fator de risco investigado pelos estudos e o MP2,5 foi o principal poluente mencionado.

Referências

ALBUQUERQUE, M. C. et al. Acute respiratory viral infections in children in Rio de Janeiro and Teresopolis, Brazil. Revista Institucional de Medicina Tropical de São Paulo, v. 54, n. 5, p. 249-55, 2012.

AMBIENTE, M. D. M. Poluentes atmosféricos. 2018. Disponível em: < http://www.mma.gov.br/cidades-sustentaveis/qualidade-do-ar/poluentes-atmosf%C3%A9ricos#Material_particulado >.

ANDRADE FILHO, V. S. et al. Aerosols from biomass burning and respiratory diseases in children, Manaus, Northern Brazil. Revista de Saúde Pública, v. 47, n. 2, p. 239-47, 2013.

ARRUDA, E. et al. The burden of single virus and viral coinfections on severe lower respiratory tract infections among preterm infants: a prospective birth cohort study in Brazil. Pediatric Infecto Disease Journal, v. 33, n. 10, p. 997-1003, 2014.

BRANDÃO, H. V. et al. Acute viral bronchiolitis and risk of asthma in schoolchildren: analysis of a Brazilian newborn cohort. Jornal de Pediatria, v. 93, n. 3, p. 223-229, 2017.

CARVALHO, E. K. M. A. D., R. T.; CARVALHO, J. R. M. Análise da influência entre as variáveis meteorológicas e doenças respiratórias na cidade de Campina Grande, PB. Revista Brasileira de Climatologia, v. 18, n. 12, p. 63-79, 2016.

CAVALCANTI, Y. W. F., I. A. et al. Determinação do Nível de Evidência Científica de Artigos sobre Prótese Total Fixa Implanto-Suportada. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, v. 14, n. 4, p. 45-50, 2011.

CÉSAR, A. C. G. Material particulado fino estimado por modelo matemático e internações por pneumonia e asma em crianças. Revista Paulista de Pediatria, v. 34, p. 18-23, 2016.

CÉSAR, A. C. G. C. J., J. A.; NASCIMENTO, L. F. C. Association between NOx exposure and deaths caused by respiratory diseases in a medium-sized Brazilian city. Brazilian Journal of Medical and Biological Research, v. 48, n. 12, p. 1130–1135, 2015.

CESAR, A. C. G. N., L. F. C.; CARVALHO, J. A. Association between exposure to particulate matter and hospital admissions for respiratory disease in children. Revista de Saúde Pública, v. 47, n. 6, p. 1209-1212, 2013.

EPA. http://www.epa.gov / Acesso em: 01 de Novembro de 2013.

FREITAS, M. S. et al. Prevalence of asthma symptoms and associated factors in schoolchildren from Brazilian Amazon islands. Journal of Asthma, v. 49, n. 6, p. 600-5, 2012.

GALVÃO, T. F. E. A. Principais itens para relatar revisões sistemáticas e meta-análises: a recomendação PRISMA. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 24, n. 2, p. 335-342, 2015.

GHIO, A. J. et al. Biologic Effects of Oil Fly Ash. Environmental Health Perspectives, v. 110, 2002.

GONÇALVES, E. D. S. Associação entre variáveis clínicas relacionadas à asma em escolares nascidos com muito baixo peso com e sem displasia broncopulmonar. Revista Paulista de Pediatria, v. 24, n. 3, p. 271–280, 2016.

GURGUEIRA, S. A. et al. Rapid Increases in the Steady-State Concentration of Reactive Oxygen Species in the Lungs and Heart after Particulate Air Pollution Inhalation. Environmental Health Perspectives, v. 110, n. 8, 2002.

GUILHERME, E. V. E. A. Resposta cutânea a alérgenos ambientais em indivíduos atendidos em serviço de pneumologia, maringá, estado do paraná, Brasil. Acta Scientiarum - Health Sciences, v. 24, n. 1, p. 79–83, 2012.

LEOTTE, J. et al. Impact and seasonality of human rhinovirus infection in hospitalized patients for two consecutive years. Jornal de Pediatria, v. 93, n. 3, p. 294-300, 2017.

MOURA, M. et al. [Air quality and acute respiratory disorders in children]. Revista de Saúde Pública, v. 42, n. 3, p. 503-11, 2008.

NARDOCCI, A. C. D. F., C. U. et al. Poluição do ar e doenças respiratórias e cardiovasculares: estudo de séries temporais em Cubatão, São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 29, n. 9, p. 1867-1876, 2013.

NASCIMENTO, A. P. S. et al. Associação entre concentração de partículas finas na atmosfera e doenças respiratórias agudas em crianças. Revista de Saúde Pública, v. 51, n. 3, p. 1-10, 2017.

ORONA, N. S. et al. Acute exposure to Buenos Aires air particles (UAP-BA) induces local and systemic inflammatory response in middle-aged mice: A time course study. Environmental Pollution, v. 208, p. 261-270, 2016.

PEDRAZA, D. F. Q., D.; SALES, M. C. Doenças infecciosas em crianças pré-escolares brasileiras assistidas em creches. Ciência e Saúde Coletiva, v. 19, n. 2, p. 511-528, 2014.

RAJAGOPALAN, S.; BROOK, R. D. Air Pollution and Type 2 Diabetes Mechanistic Insights. Diabetes, v. 61, 3037–45, 2012.

RODRIGUES, P. C. O. I., E.; HACON, S. S. Distribuição espaço-temporal das queimadas e internações por doenças respiratórias em menores de cinco anos de idade em Rondônia, 2001 a 2010. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 22, n. 3, p. 455-464, 2013.

ROMAN, V. V. L. C. J., J. A. et al. Efeitos de poluentes do ar e doenças respiratórias utilizando dados estimados por modelo matemático. Revista Ambiente e Água, v. 10, n. 4, p. 825-831, 2015.

SANTANA, E. C., K. B. et al. Padrões de qualidade do ar: Experiência comparada Brasil, EUA e União Europeia. São Paulo: Instituto de Energia e Meio Ambiente, 2012.

SHEN, Y. et al. Non-linear increase of respiratory diseases and their costs under severe air pollution. Environmental Pollution, v. 224, p. 631-637, 2017.

SIGAUD, C. H. S. C. et al. Associação entre tabagismo passivo domiciliar e morbidade respiratória em pré-escolares. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 50, n. 4, p. 562-568, 2016.

aSILVA, A. M. et al. Particulate matter originating from biomass burning and respiratory. Revista de Saúde Pública, v. 47, n. 2, p. 345-52, 2013.

bSILVA, E. R. et al. Severe lower respiratory tract infection in infants and toddlers from a non-affluent population: viral etiology and co-detection as risk factors. BMC Infecto Disease, v. 13, p. 41, 2013.

SOUZA, A. F., W. A. et al. Potenciais impactos da variabilidade climática sobre a morbidade respiratória em crianças, lactentes e adultos. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 38, n. 6, p. 708-715, 2012.

SOUZA, J. B. R., V. A. et al. Componentes principais e modelagem linear generalizada na associação entre atendimento hospitalar e poluição do ar. Revista de Saúde Pública, v. 48, n. 3, p. 451-458, 2014.

VIEIRA, S. E. S., R. T. et al. Los contaminantes atmosféricos urbanos son factores de riesgo significativos para el asma y la neumonía en niños: influencia del lugar de medición de los contaminantes. Archivos de Bronchoneumologia, v. 48, n. 11, p. 389-395, 2012.

XU, X. et al. Effect of early particulate air pollution exposure on obesity in mice. Role of p47phox. Arteriosclerosis, Thrombosis and Vascular Biology, v. 30, n. 12, p. 2518-27, 2010.

WHITTEMORE, R.; KNAFL, K. The integrative review: updated methodology. Journal of Advanced Nursing, v. 52, n. 5, p. 546-53, 2005.

WHO. Health risks of air pollution in Europe – HRAPIE project New emerging risks to health from air pollution – results from the survey of experts. 2013.

Downloads

Publicado

2020-04-29

Edição

Seção

Estudos Interdisciplinares em Saúde