A INFLUÊNCIA DAS LESÕES POR PRESSÃO NA QUALIDADE DE VIDA E INCLUSÃO SOCIAL: A PERCEPÇÃO DOS USUÁRIOS DE CADEIRA DE RODAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33362/ries.v9i1.1739

Palavras-chave:

Usuários de Cadeira de Rodas. Lesões por Pressão. Inclusão Social. Qualidade de Vida.

Resumo

As lesões por pressão é um dos maiores problemas de saúde enfrentados pelos usuários de cadeira de rodas, sendo que interferem na qualidade de vida. Os objetivos do estudo visam compreender a interferência das lesões por pressão na qualidade de vida e na inclusão social dos usuários de cadeira de rodas. A pesquisa se caracteriza como observacional descritiva, com análise de dados sob o paradigma qualitativo. O grupo de colaboradores foi composto de 22 usuários de cadeira de rodas. Os resultados indicaram que o mais recorrente problema mencionado foi o medo da morte em decorrência das lesões e a dependência do cuidador, que limita seu cotidiano em funções dos curativos, do mau cheiro emanado das lesões e dos constrangimentos físicos e emocionais decorrentes desses, interferindo sobremaneira na vida social, pois induz à reclusão. Verifica-se que a presença das lesões por pressão na vida dos usuários de cadeira de rodas limita sua independência e sua autonomia, interfere na vida social, familiar e do trabalho. Portanto, a prevenção ainda é a melhor e mais eficaz estratégia contra as temidas lesões por pressão.

Biografia do Autor

Bruna Henkel Ferro, Universidade Feevale

Doutoranda e Mestre em Diversidade Cultural e Inclusão Social, e graduada em Design pela Universidade Feevale, RS. 

Jacinta Sidegum Renner, Universidade Feevale

Doutora em Engenharia de Produção (UFRGS). Professora e pesquisadora do Programa em Diversidade Cultural e Inclusão Social, na Universidade Feevale, RS.

Michele Barth, Universidade Feevale

Doutoranda e Mestre em Diversidade Cultural e Inclusão Social, e graduada em Design pela Universidade Feevale, RS.

Eliane Fátima Manfio, Universidade Feevale

Doutora em Educação Física-Biomecânica (UFSM). Professora e pesquisadora na Universidade Feevale, RS.

Referências

ASSOCIAÇÃO DOS LESADOS MEDULARES DO RS – LEME. Quem Somos. Disponível em: <http://www.leme.org.br/?link=quem-somos>. Acesso em: 03 jul. 2015.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BERNARDES, Liliane Cristina Gonçalves et al. Pessoas com deficiência e políticas de saúde no Brasil: reflexões bioéticas. Revista Ciência & Saúde Coletiva, v.14, n.1, p.31-8, 2009.

CALDAS, Célia Pereira. Conversando sobre o autocuidado: a qualidade de vida como meta. In: Jaime Lisandro Pacheco; Jeanete Liasch Martins de Sá, Ligia Py; Sara Nigri Goldman. (Org.). Tempo: rio que arrebata. São Paulo: Holambra, 2005. P. 75-86.

CHAFFIN, Don; ANDERSSON, Gunnar; MARTIN, Bernard. Biomecânica ocupacional. Belo Horizonte: Ergo, 2001. 579 p.

DEALEY, Carol. Cuidando de feridas: um guia para as enfermeiras. 3.ed. São Paulo: Atheneu, 2008. 240 p.

DIETER, Cristiane; RENNER, Jacinta Sidegum; MARTINS Luciana Néri. Acessibilidade: um Fator de Inclusão/Exclusão Social. In: Congresso Internacional Interdisciplinar em Sociais e Humanidades. Niterói RJ: ANINTER-SH/PPGSD-UFF, 2012. Disponível em: <http://docplayer.com.br/7446617-Acessibilidade-um-fator-de-inclusao-exclusao-social.html>. Acesso em: 20 nov. 2016.

DUL, Jan; WEERDMEESTER, Bernard. Ergonomia prática. 2.ed. rev. e ampl. São Paulo: Edgard Blücher, 2004. 137 p.

IIDA, Itiro; GUIMARÃES, Lia Buarque de Macedo. Ergonomia: projeto e produção. 3.ed. rev. ampl. São Paulo, SP: Edgard Blücher, 2016. 850 p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo demográfico 2010. Disponível em:<ftp://ftp.ibge.gov.br/Censos/Censo_Demografico_2010/Caracteristicas_Gerais_Religiao_Deficiencia/tab1_3.pdf>. Acesso em: 29 mai. 2015.

KÜBLER-ROSS, Elisabeth. Sobre a morte e o morrer: O que os doentes terminais têm para ensinar a médicos, enfermeiras, religiosos e aos seus próprios parentes. São Paulo: Martins Fontes, 1996. 299 p.

LINDER-GANZ, Eran. et al. How do normals move during prolonged wheelchair- sitting? Technology and Health Care, v.15, n.3, p.195-202, 2007.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2014.

MINAYO, Maria Cecília de Souza; HARTZ, Zulmira Maria de Araújo; BUSS, Paulo Marchiori. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência & Saúde Coletiva, v.5, n.1, p.7-18, 2000.

MINAYO, Maria Cecília de Souza et al. Métodos, técnicas e relações em triangulação. In: MINAYO, Maria Cecília de Souza; ASSIS, Simone Gonçalves de; SOUZA, Ednilsa Ramos de. (Org.). Avaliação por triangulação de métodos: abordagem de programas sociais. Rio de Janeiro, Fiocruz, 2005. p. 71-103.

MORAES, Anamaria; PEQUINI ,Suzi Marino. Ergodesign para trabalho em terminais informatizados. Rio de Janeiro, RJ: 2AB, 2000. 117 p.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Promoción de la salud: glosario. Genebra: OMS, 1998.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Relatório Mundial sobra a Deficiência. Organização Mundial da Saúde. São Paulo: SEDPcD, 2012. 334 p.

OTA, Ana Sayuri. Prevenção das Úlceras de Pressão. 2008. 25 f. Monografia (Programa de Pós-Graduação em Aplicações Complementares às Ciências Militares). ESSEX, Escola de Saúde do Exército, Rio de Janeiro.

PRADO, Adriana Romeiro de Almeida. A arte de bem morar na velhice. In: Jaime Lisandro Pacheco; Jeanete Liasch Martins de Sá; Ligia Py; Sara Nigri Goldman. (Org.). Tempo: rio que arrebata. São Paulo: Holambra, 2005. p. 27-44.

PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS, Ernani Cesar de. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2 ed. Novo Hamburgo, RS: Feevale, 2013. 277 p.

RIBAS, João Baptista Cintra. O que são pessoas deficientes. 6. ed. São Paulo, SP: Brasiliense, 1994. 103p.

SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. 7. ed. Rio de Janeiro, RJ: WVA, 2006. 176 p.

SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão no lazer e turismo: em busca da qualidade de vida. São Paulo: Áurea, 2003.

VICENSI, Maria do Carmo. Reflexão sobre a morte e o morrer na UTI: a perspectiva do profissional. Rev. Bioét. 2016, v.24, n.1, p. 64-72. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-

&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 07 dez. 2016.

WADA Alexandre; NETO, Nuberto Teixeira; FERREIRA, Marcus Castro.Úlceras por pressão. Rev. Med., jul.-dez, p.170-177, 2010.

Downloads

Publicado

2020-04-29

Edição

Seção

Estudos Interdisciplinares em Saúde