UMA EXPERIÊNCIA DE INVESTIGAÇÃO E INTERVENÇÃO COMUNITÁRIA: INTERFACES ENTRE FORMAÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE MENTAL

Autores

  • Catarine Martins Torres Universidade estadual do centro-oeste
  • Camila Da Silva Eidam de Lima Universidade Estadual do Centro-Oeste
  • Claudio Shigueki Suzuki Universidade Estadual do Centro-Oeste
  • Emalline De Paula Santos
  • Gustavo Zambenedetti
  • Vanderleia Schinemann

DOI:

https://doi.org/10.33362/ries.v9i1.1717

Palavras-chave:

Interdisciplinaridade, Saúde Mental, Atenção Básica, Desenvolvimento Comunitário, Atenção Básica.

Resumo

Este artigo parte do desafio apresentado em um programa de mestrado, que consiste em fomentar uma formação que articule a pesquisa no âmbito comunitário, sob um viés interdisciplinar. Nesse sentido, relataremos uma experiência de aproximação com um contexto comunitário, com o objetivo de levantar demandas locais e construir um projeto de  intervenção. Uma Unidade de Saúde da Família foi escolhida como dispositivo comunitário para a realização do trabalho. Foram realizadas observações participantes do cotidiano da unidade. A experiência foi sistematizada em 3 movimentos: aproximação e levantamento de demandas; delimitação de uma problemática para a intervenção; construção e implementação de uma proposta de intervenção. Foi possível constituir um diagnóstico, destacando-se a saúde mental como um dos principais temas demandados pela equipe. Com base nisso, foi organizada uma oficina sobre saúde mental, com a participação da equipe da unidade, da coordenação de um serviço de referência em saúde mental e das mestrandas, propiciando um dispositivo de reflexão e aprendizagem. Percebeu-se a relevância do trabalho realizado para a sistematização de um modo de aproximação com a comunidade, sob viés participativo, propiciando uma articulação comunidade-universidade em que ambos se beneficiam.

Biografia do Autor

Catarine Martins Torres, Universidade estadual do centro-oeste

Psicóloga  da Santa Casa de Irati, Paraná. Mestranda do programa de mestrado interdisciplinar em desenvolvimento comunitário.

Camila Da Silva Eidam de Lima, Universidade Estadual do Centro-Oeste

Psicologa, atua como docente em uma Instituição de Ensino Superior Privada na área da saúde e trabalha no Centro de Atenção Psicossocial de Ponta Grossa, PR. Mestranda em Desenvolvimento Comunitário pela UNICENTRO-PR.

Claudio Shigueki Suzuki, Universidade Estadual do Centro-Oeste

Professor efetivo do programa de mestrado interdisciplinar em desenvolvimento comunitário.

Referências

ALBUQUERQUE, L. M. B. de. Comunidade e sociedade: conceito e utopia. Ano XVIII, Nº 20, pp. 50 – 53. Raízes, 2009

ARANTES, L.J; SHIMIZU H.E; MERCHÁN-HAMANNE.: The benefits and chal-lenges of the Family Health Strategy in Brazilian Primary Health care: A literature review. Revista Ciencia e Saude Coletiva, 2016

BAUMAN, Z. Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Rio de Janeiro: Jorge Zajar, 2003.

BAREMBLITT, G. F. Compêndio de análise institucional e outras

correntes: teoria e prática, 5ed., Belo Horizonte, MG: Instituto Felix Guattari, 2002.

BOTERF, G.L. Pesquisa participante: Propostas e reflexões metodológicas. In: BRANDRÃO, C.R.. Repensando a pesquisa participante. São Paulo: Editora Brasiliense, 1999.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Rede de Atenção Psicossocial. Governo Federal. Disponivel em www.saude.gov.br/saudemental. Brasília, 2013.

______. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Política Nacional de Atenção Básica. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília, 2012.

______. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Lei Orgânica da Saúde. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília, set. 1990.

______. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria 2.436/2017 de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, set. 2017.

LANCETTI, A. AMARANTE, P. in CAMPOS, G W; MINAYO M C et AL. Tratado de saúde coletiva. Hucitec. 2012.

CANGUILHEM, G. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

COSTA, Rosemary Pereira. Interdisciplinaridade e equipes de saúde: con-cepções. Mental, Barbacena, v. 5, n. 8, p. 107-124. 2007

FIRMINO, A. A. et al. Atuação de enfermeiros na estratégia de saúde da família em um município de minas gerais. Saúde (Santa Maria), [S.l.], p. 49-58, jun. 2016.

FRAGOSO, A. Desenvolvimento Participativo: uma sugestão de reformulação conceptual. Revista Portuguesa de Educação. ISSN 0871-9187, 2005.

HIRDES, A. A perspectiva dos profissionais da Atenção Primária à Saúde sobre o apoio matricial em saúde mental. Rio de Janeiro. Revista Ciência e Saúde coletiva,v. 20, n. 2, p. 371-382.2015.

LEIS, H.R. Sobre o conceito de interdisciplinaridade. Cadernos de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências Humanas, v. 6, n. 73, p. 2-23, 2005.

MENDES, E.V. Redes de atenção à saúde. Belo Horizonte: Escola de Saúde Pública de Minas Gerais,2009.

PEDROSO, R. T; VIEIRA, M. E. M. & Vieira, Maria Edna Moura.Humanização das práticas de saúde: transversalizar em defesa da vida. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 2009.

PERUZZO, C. M. K. Conceitos de comunidade, local e região: inter-relações e diferença. São Paulo – v. 12, n. 24, p. 139-152, Líbero, 2009.

PETRAGLIA, I. Edgar Morin: a educação da complexidade do ser e do saber. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

ROCHA, M.L.; AGUIAR. K.F. Pesquisa- Intervenção e a Produção de Novas Análises.Psicologia, Ciência e Profissão, v.23, p. 64-73, 2003.

SANTOS, M. O dinheiro e o território. In: BECKER, B. K.; SANTOS, M. (Org.).Território, territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial. 3. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007.

SILVA, A; CASOTTI, L; LIMA, C.A; CHAVES, S. C. A produção científica brasileira sobre a Estratégia Saúde da Família e a mudança no modelo de atenção. Ciência & Saúde Coletiva, vol. 18, núm. 1, 2013.

SILVA, C.W.F; ROCHA,D.A, CHEHAB, I.M.C.V. Comunidade, Conflito e Mediação. Ceará, 2008.

THORNICROFT, et. Al. Padrão global de discriminação experimentada e antecipada contra pessoas com esquizofrenia: estudo transversal. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 12(1), 141-160.2009

ZAMBENEDETTI, G. et al . Psicologia e Análise Institucional: Contribuições para os Processos Formativos dos Agentes Comunitários de Saúde. Psicol. cienc. prof., Brasília , v. 34, n. 3, p. 690-703, Setembro,2014 .

Downloads

Publicado

2020-07-28

Edição

Seção

Estudos Interdisciplinares em Saúde