ADOLESCENTES E INFRAÇÃO: JUSTIÇA RESTAURATIVA COMO PROMOÇÃO DA RESPONSABILIDADE

ADOLESCENTS AND INFRINGEMENT: RESTAURATIVE JUSTICE AS A PROMOTION OF RESPONSIBILITY

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33362/ext.v8i2.2442

Resumo

O objetivo do texto é analisar a aplicação da justiça restaurativa como instrumento para promoção da justiça e segurança em infrações cometidas por de adolescentes.  A Justiça restaurativa oportuniza para o infrator a chance de perceber e ressignificar sua ação danosa, possibilitando a transformação de seus atos e a vivencia de uma nova realidade. Dentre as medidas socioeducativas aplicadas aos adolescentes infratores, a internação deveria ser medida excepcional, no entanto é a que possui maior aplicação. No caso de internação, a maioria dos adolescentes não recebem um tratamento adequado pois o modelo aplicado segue os parâmetros da justiça retributiva. A técnica de pesquisa foi a coleta de informações bibliográfica e legislativa, sendo que as ideias foram expressas e organizadas pela base lógica indutiva. Observou-se ao final que a justiça restaurativa apresenta potencial para modificar o atual modelo de justiça aplicado aos adolescentes infratores, na medida em que, além da punição, visa reparar o dano causado. Pela Justiça restaurativa busca-se, além da resolução e alcance da justiça, um caminho de efetividade, tanto para a vítima, quanto para o infrator.

Palavras-chave: Justiça restaurativa; Adolescentes infratores; Responsabilidade.

ABSTRACT:

The objective of the text is to analyze the application of restorative justice as an instrument to promote justice and security in infractions committed by adolescents. Restorative justice gives the offender the chance to perceive and reframe his harmful action, enabling the transformation of his acts and the experience of a new reality. Among the socio-educational measures applied to adolescent offenders, detention should be an exceptional measure, however it is the one with the greatest application. In the case of detention, most adolescents do not receive adequate treatment because the model applied follows the parameters of retributive justice. The research technique was the collection of bibliographic and legislative information, and the ideas were expressed and organized by the inductive logical basis. At the end, it was observed that restorative justice has the potential to modify the current model of justice applied to adolescent offenders, in that, in addition to punishment, it aims to repair the damage caused. Restorative justice seeks, in addition to the resolution and scope of justice, a path of effectiveness, both for the victim and for the offender.

Keywords: Restorative justice; Adolescent offenders; Responsibility.

Biografia do Autor

Clovis Demarchi

Doutor e Mestre em Ciência Jurídica pela Universidade do Vale do Itajaí (CAPES 6). Professor na graduação e no Programa de “Pós-graduação stricto Sensu” em Ciência Jurídica da Univali. Líder do grupo de pesquisa Governança, Constitucionalismo, Transnacionalidade e Sustentabilidade.

Eduardo Augusto Fernandes

Mestrando do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência Jurídica da Univali em regime de dupla-titulação com o Mestrado em Derecho Público da Universidad de Caldas/Colômbia.

Matheus José Vequi

Mestrando do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência Jurídica da Univali em regime de dupla-titulação com o Mestrado em Estudios Políticos da Universidad de Caldas/Colômbia.

Referências

BESSA, Ana Carla Coelho. Justiça Restaurativa e mediação para o adolescente em conflito com a lei no Brasil. 2008. 144 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Direito, Universidade de Fortaleza - Unifor, Fortaleza, 2008. Disponível em: <https://pt.scribd.com/document/75337601/Justica-restaurativa-e-mediacao-para-o-adolescente-em-conflito-com-a-lei-no-Brasil>. Acesso em: 10 maio 2020.

BRASIL. Conselho Nacional de Justiça - CNJ. Há mais de 22 mil menores infratores internados no Brasil. 2018a. Disponível em: <http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/87990-ha-mais-de-22-mil-menores-infratores-internados-no-brasil>. Acesso em: 10 maio 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Senado Federal, 2019.

BRASIL. Lei nº 8.069, DE 13 de julho de 1990. Estatuto da criança e do adolescente. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8069.htm>. Acesso em 17 maio 2020.

BRASIL. Rede Brasil Atual. Em seis anos, número de jovens cumprindo medida privativa de liberdade aumenta 58%. Disponível em: < https://www.redebrasilatual.com.br/cidadania/2018b/02/em-seis-anos-numero-de-jovens-cumprindo-pena-aumenta-em-58>. Acesso em: 11 maio 2020.

BRASIL. Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. Ministério dos Direitos Humanos. Levantamento Anual SINASE 2016. Disponível em: <https://www.mdh.gov.br/todas-as-noticias/2018/marco/Levantamento_2016Final.pdf>. Acesso em: 11 maio 2020.

DEMARCHI, Clovis. A Dignidade Humana como Fundamento para a Positivação dos Direitos Fundamentais. In: DEMARCHI, Clovis; OLIVEIRA NETO, Francisco José Rodrigues; ABREU, Pedro Manoel (org.). Direito, Estado e Sustentabilidade. Itajaí: Univali, 2016. Disponível em: https://www.univali.br/vida-no-campus/editora-univali/e-books/Paginas/default.aspx

DEMARCHI, Clovis; FONTANA, Douglas Cristian. Deveres Fundamentais e Dignidade Humana: uma perspectiva diferente. Revista Eletrônica Direito e Política, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência Jurídica da UNIVALI, Itajaí, v.14, n.3, 3º quadrimestre de 2019. Disponível em: www.univali.br/direitoepolitica

DEPARTAMENT OF JUSTICE OF YUKON. Research framework for a review of community justice in Yukon. Disponível em: <http://www.justice.gov.yk.ca/fr/pdf/02-1_History.pdf>. Acesso em: 10 maio. 2019.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. 10 ed. Petrópolis, Vozes: 1993.

JACCOUD, Luciana. Questão social e políticas sociais no Brasil contemporâneo. Brasília: IPEA, 2005.

MAFFETTONE, Sebastiano; VECA, Salvatore. A ideia de justiça de Platão a Rawls. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

MILAZZO, Cristhyan Martins Castro. Justiça restaurativa: caminhos de fraternidade, direitos humanos e dignidade social. Dissertação. Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2008. Disponível em: < http://tede2.pucgoias.edu.br:8080/handle/tede/756>. Acesso em: 25 mar. 2020.

PRUDENTE, Neemias Moretti; SABADELL, Ana Lúcia. Mudança de paradigma: justiça restaurativa. Revista Jurídica Cesumar, v. 8, n. 1, p. 49-62, jan./jun. 2008. Disponível em: < http://www.cesumar.edu.br/pesquisa/periodicos/index.php/revjuridica/article/viewFile/719/554>. Acesso em: 09 maio 2020.

SÁ, Arthur Luiz Carvalho de. As Medidas Socioeducativas do ECA e a reincidência da delinquência juvenil. Conteúdo Jurídico, Brasilia: 07 jul. 2009. Disponível em: <http://www.conteudojuridico.com.br/?artigos&ver=1055.24348&seo=1>. Acesso em: 12 maio 2020.

TRAMONTANO, Gianluca. Conflitti e società: Il contributo della giustizia riparativa. 2010. Tese (Doutor em Sociologia e Pesquisa Social) - Università degli studi del Molise, Dipartimento di Scienze Umane Storiche e social, Campobasso, 2010.

ZANATTA, Maria de Lourdes Alves Lima. Da Legitimação Da Justiça Restaurativa Enquanto Ideal De Justiça No Confronto Com A Justiça Retributiva: Implicações Na Resolução De Conflitos De Crianças E Adolescentes Em Contexto Escolar. Tese. Universidade do Minho, Portugal, 2016.

ZEHR, Howard. Trocando as lentes de si: um novo foco sobre o crime e a justiça. São Paulo: Palas Athena, 2008.

Downloads

Publicado

2020-12-18

Como Citar

DEMARCHI, C.; AUGUSTO FERNANDES, E.; JOSÉ VEQUI, M. . ADOLESCENTES E INFRAÇÃO: JUSTIÇA RESTAURATIVA COMO PROMOÇÃO DA RESPONSABILIDADE: ADOLESCENTS AND INFRINGEMENT: RESTAURATIVE JUSTICE AS A PROMOTION OF RESPONSIBILITY. Extensão em Foco (ISSN: 2317-9791), [S. l.], v. 8, n. 2, p. 11-21, 2020. DOI: 10.33362/ext.v8i2.2442. Disponível em: https://periodicos.uniarp.edu.br/index.php/extensao/article/view/2442. Acesso em: 3 mar. 2021.

Edição

Seção

Artigos