NOTIFICAÇÕES DE LER/DORT EM UM SERVIÇO ESPECIALIZADO EM SAÚDE DO TRABALHADOR DA BAIXADA SANTISTA

Autores

  • Camilla de Paula Zavarizzi Universidade federal de São Paulo - UNIFESP, Campus Baixada Santista
  • Bárbara Militelo Pestana Universidade Federal de São Paulo-UNIFESP, Campus Baixada Santista.
  • Felipe Granado de Souza Universidade Federal de São Paulo-UNIFESP, Campus da Baixada Santista
  • Maria do Carmo Baracho de Alencar Universidade Federal de São Paulo-UNIFESP, Campus Baixada Santista.

DOI:

https://doi.org/10.33362/ries.v11i1.1645

Palavras-chave:

transtornos traumáticos cumulativos, saúde do trabalhador, perfil de saúde.

Resumo

Introdução: As LER/DORT constituem um problema de saúde pública que acomete uma parcela considerável dos trabalhadores de diversas profissões. Para mapear a incidência e elaborar estratégias de prevenção e promoção de saúde existe no Brasil o Sistema de Informação de Notificação de Agravos (SINAN), no qual as LER/DORT são consideradas de notificação obrigatória. Objetivo: Investigar sobre o perfil de trabalhadores atendidos em um serviço de saúde especializado, e que tiveram notificações abertas no Sistema Informação de Notificação de Agravos (SINAN) e relacionadas às LER/DORT, Método: Obteve-se uma listagem das notificações do SINAN, junto à Coordenação de um serviço de saúde do trabalhador da Baixada Santista, e referente ao período de 02 de janeiro de 2014 à 31 de dezembro de 2015. Foram obtidos os dados: sexo, idade, escolaridade, ocupação, diagnóstico clínico, abertura do CAT e situação no trabalho no registro. Resultados: Foram abertas apenas 103 notificações pelo SINAN, sendo os sujeitos em maioria do sexo feminino, idade entre 30 e 49 anos, com escolaridade baixa, e a maioria dos sujeitos trabalhavam nos serviços de asseio e de limpeza.  As afecções em coluna (dorsalgias) foram as mais prevalentes (40,8%), e a maioria (63,9%) estava no momento do registro em situação de afastamento do trabalho. Ainda, houve um registro expressivo de LER/DORT em trabalhadores informais. Conclusão: Há necessidades de melhorias na efetiva realização deste procedimento para que aumente as notificações, e as informações possam contribuir no direcionamento de ações de prevenção, promoção, recuperação e reabilitação da saúde.

Biografia do Autor

Camilla de Paula Zavarizzi, Universidade federal de São Paulo - UNIFESP, Campus Baixada Santista

Terapeuta Ocupacional, mestre em Ciências da Saúde pela UNIFESP, Campus Baixada Santista. Professora Substituta no curso de Terapia Ocupacional da UNIFESP, Campus Baixada Santista, Departamento Saúde, Educação e Sociedade. Terapeuta Ocupacional no Centro de Referência em Saúde do Trabalhador da Zona Leste de São Paulo, SP.

Bárbara Militelo Pestana, Universidade Federal de São Paulo-UNIFESP, Campus Baixada Santista.

Terapeuta Ocupacional. Mestre em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de São Paulo-UNIFESP, Campus Baixada Santista.

Felipe Granado de Souza, Universidade Federal de São Paulo-UNIFESP, Campus da Baixada Santista

Estatístico da Universidade Federal de São Paulo-UNIFESP, Campus da Baixada Santista. Mestre em Engenharia Biomédica pela Universidade Federal do ABC, São Paulo, Brasil.

Maria do Carmo Baracho de Alencar, Universidade Federal de São Paulo-UNIFESP, Campus Baixada Santista.

Profa. Associada da Universidade Federal de São Paulo-UNIFESP, e do Programa de Pós Graduação Interdisciplinar em Ciências da Saúde, Campus Baixada Santista.

Referências

ALENCAR, M. C. B.; TERADA, T. M. O afastamento do trabalho por afecções lombares: repercussões no cotidiano de vida dos sujeitos. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, São Paulo, v.23, n.1, p.44-51, 2012.

ALENCAR, M.C.B.; MERLO, A.R.C. A saúde em troca da excelência: o sofrimento de atendentes de nutrição de um hospital público acometidos por LER/Dort. Saúde e Sociedade, São Paulo, vol.27, n.1, p.215-226, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 777, de 28 de abril de 2004. Dispõe sobre os procedimentos técnicos para a notificação compulsória de agravos à saúde do trabalhador em rede de serviços sentinela específica, no Sistema Único de Saúde – SUS. Diário Oficial da União 29 abril de 2004; Seção 1, p. 37-8.

BRASIL. Ministério da Saúde. Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan: normas e rotinas /Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2007. <http://portalsinan.saude.gov.br/images/documentos/Portarias/Manual_Normas_e_Rotinas.pdf>. Acesso em: 08 de abril de 2018

BRASIL. Ministério da Saúde. Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador. Manual de Gestão e Gerenciamento. São Paulo, 2006a. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/ManualRenast06.pdf>. Acesso em: 11 set. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. Lesões por Esforços Repetitivos (LER) e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort), a dor relacionada ao trabalho. Protocolos de atenção integral à Saúde do Trabalhador de Complexidade Diferenciada. Brasília, 2006b.Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/protocolo_ler_dort.pdf>. Acesso em: 11 set. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde do Trabalhador. Dor Relacionada ao Trabalho (LER/Dort). Brasília, 2012. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/dor_relacionada_trabalho_ler_dort.pdf>. Acesso em: 11 set. 2017.

BRASIL. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Relatório Anual Socioeconômico da Mulher (REASEM-2014). Brasília, 2015.Disponível em: <http://www.spm.gov.br/central-de-conteudos/publicacoes/publicacoes/2015/livro-raseam_completo.pdf>. Acesso: 11 set. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. O SINAN, 2016. Disponível em: <http://portalsinan.saude.gov.br/o-sinan>. Acesso em: 27 jul.2016.

BRENDBEKKEN, R. et al. Return to work in patients with chronic musculoskeletal pain: multidisciplinary intervention versus brief intervention: a randomized clinical trial. Journal of Occupational Rehabilitation, New York, v.27, n.1, p.82-91, 2017.Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26910406>. Acesso em: 15 set. 2017.

COGGON, D. et al. International variation in absence from work attributed to musculoskeletal illness: findings from the CUPID study. Occup Environ Med. London, v. 70, n.8, p.575-584, 2013. Disponível em:<https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23695413>. Acesso em: 15 set. 2017.

DOSEA, G. S. et al. Análise do perfil ocupacional dos portadores de distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho em Sergipe. Interfaces Científicas - Saúde e Ambiente, Aracajú, v.3, n.2, p.57-64, 2015.

DOSEA, G.S.; OLIVEIRA, C.C.C.; LIMA S.O. Sintomatologia osteomuscular e qualidade de vida de portadores de distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro, v.20, n.4, p.e20160103, 2016.

DRUCK, G. Trabalho, precarização e resistências: novos e velhos desafios? Caderno CRH, Salvador, v. 24, n. 01, p. 37-57, 2011.

FREITAS, C. et al. Perfil de sujeitos com transtornos dos tecidos moles atendidos em um serviço de saúde do trabalhador e as LER/DORT. Cad. Ter. Ocup. UFSCar, São Carlos,v.23, n.2, p.305-312, 2015.

FREZ, G. M.; MELLO V. M. Terceirização no Brasil. South American Development Society Journal, São Paulo, v.4, n.2, p.79-101, 2016.

GALDINO, A.; SANTANA, V.S.; FERRITE, S. Os Centros de Referência em Saúde do Trabalhador e a notificação de acidentes de trabalho no Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.28, n.1, p.145-159, 2012.

HAEFFNER, R. O perfil dos trabalhadores do Brasil com distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho. 2014. 99 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Universidade Federal do Paraná, Paraná, 2014.

HIROCHI T.L. Trajetória dos Trabalhadores que buscam o CEREST no Município de Betim (MG). 2010. 93f.Dissertação (Mestrado em Saúde, Interdisciplinariedade e Reabilitação) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.

KUMAR R. Ergonomic Evaluation and design of Tools in Cleaning Occupation. Division of Industrial Design Department of Human Work Sciences Lulea University of Technology. Luleå, Suécia, 2006.

LIU, L. et al. How Work Organization Affects the Prevalence of WMSDs. Biomed Env Sci., Duluth, v.28, n.9, p.627-633, 2015. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26464249>. Acesso em: 15 set. 2017.

LOURENÇO, E. A. S. Agravos à saúde dos trabalhadores no Brasil: alguns nós críticos. Revista Pegada, Presidente Prudente, v.12, n.1, p.3-33, 2011. Disponível em: <http://revista.fct.unesp.br/index.php/pegada/article/view/927>. Acesso em:

NEGRI, J. R. et al. Perfil Sociodemográfico E Ocupacional De Trabalhadores Com Ler/Dort: Estudo Epidemiológico. RevistaBaiana de Saúde Publica,Salvador, v. 38, n.3, p. 555-570, 2014.

NETO, E.N. et al. A Influência do Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário Sobre as Notificações de LER/ DORT no INSS.Journalof Health Sciences, Londrina, v. 16, n. 3, p.209-12, 2014.

OLIVEIRA, M.M.; et al. Problema crônico de coluna e diagnóstico de distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT) autorreferidos no Brasil: Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, vol.24, n.2, p.287-296, 2015.

PATARO, S. M. S.; FERNANDES, R. C. D. Trabalho físico pesado e dor lombar: a realidade na limpeza urbana. Rev. Bras Epidemiol., Londrina, v. 17, n.1, p.17-30, 2014.

PERO, V. Grupos vulneráveis no mercado de trabalho brasileiro. Brasília,2010. (Série Cenários, n.4),

PICOLOTO,D.; SILVEIRA, E. Prevalência de sintomas osteomusculares e fatores associados em trabalhadores de uma indústria metalúrgica de Canoas – RS. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.13, n.2 p. 507-516, 2008.

POUCHMANN, M. Trajetórias da Terceirização. São Paulo: SINDEEPRES, 2014.

RAMOS, M. Z. et al. Trabalho, adoecimento e histórias de vida em trabalhadoras da indústria calçadista. Estud. psicol., Natal, v.15, n.2, p.207-215, 2010.

REIS, S.B. Prazer e sofrimento com trabalhadores terceirizados. 2014. 113f. Dissertação (Mestrado em Administração Profissional ) -Universidade Potiguar, Natal, 2014.

SALIM, C.A. Doenças do trabalho: exclusão, segregação e relações de gênero. São Paulo Perspec., São Paulo, v.17, n.1, p.11-24, 2003.

SIEMACO. Perfil dos trabalhadores em asseio e conservação e limpeza urbana do Estado de São Paulo. São Paulo: SIEMACO, 2011.

SILVA, M. C. D.; FASSA, A. G.; VALLE, N. C. J. Dor lombar crônica em uma população adulta do Sul do Brasil: prevalência e fatores associados. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro,v.20, n.2, p.377-385, 2004.

SANTANA, V.S; FERRITE, S. Vigilância epidemiológica em saúde do trabalhador. In: CORRÊA, M.J.M. (Org.). Vigilância em saúde do trabalhador no Sistema Único de Saúde: teorias e práticas. Belo Horizonte: Coopmed, 2013. p. 99-124.

VALENÇA, J. B. M. et al. Perfil de trabalhadores com doenças da coluna vertebral atendidos em um serviço de saúde Cad. Ter. Ocup. UFSCar, São Carlos, v.24, n.2, p.227-233, 2016.

VIEGAS, L.R.T.; ALMEIDA, M.M.C. Perfil epidemiológico dos casos de LER/DORT entre trabalhadores da indústria no Brasil no período de 2007 a 2013. Rev. Bras. Saúde Ocup., São Paulo,v. 41, p. e22, 2016.

ZAVARIZZI, C.; ALENCAR, M.C.B. Aspectos relacionados ao afastamento de bancários por LER/DORT. Cad. Ter. Ocup. UFSCar. São Carlos, v.22, n.3, p.487-496, 2014.

Downloads

Publicado

2022-07-29

Edição

Seção

Estudos Interdisciplinares em Saúde