A PERCEPÇÃO DOS LÍDERES SOBRE A POTENCIALIDADE DE GERAR INTRAEMPREENDEDORISMO EM BANCOS PÚBLICOS DO RIO GRANDE DO SUL

THE PERCEPTION OF LEADERS ABOUT POTENTIALITY OF GENERATING ENTREPRENEURSHIP IN PUBLIC BANKS IN RIO GRANDE DO SUL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33362/visao.v12i1.3040

Resumo

O presente estudo tem como objetivo analisar a percepção dos líderes sobre as práticas organizacionais em bancos públicos do Rio Grande do Sul, que geram o desenvolvimento de um ambiente intraempreendedor. A pesquisa foi desenvolvida com uma abordagem quantitativa e qualitativa. Líderes do setor bancário em atividade profissional no sul do Brasil responderam ao Instrumento de Avaliação do Empreendedorismo Corporativo, o CEAI (KURATKO; HORNSBY; COVIN, 2014), que foi complementado com duas perguntas abertas sobre a percepção de práticas que aprimoram ou fragilizam o intraempreendedorismo em seu ambiente de trabalho. Somando às informações qualitativas, também foi realizada uma entrevista com uma gerente de educação corporativa de uma das instituições pesquisadas. Os dados quantitativos foram tratados pela análise da estatística descritiva e inferencial, enquanto aos qualitativos aplicou-se a Análise de Conteúdo. Entre os principais resultados, destaca-se que as dimensões recompensa/reforço e discrição no trabalho foram as mais reconhecidas pelos líderes nas práticas organizacionais que aprimoram as atividades intraempreendedoras. O apoio da gestão foi reconhecido, bem como foram apontadas as dificuldades quando há esta falta de apoio. Os líderes percebem o empoderamento para o desenvolvimento de suas ideias com fragilidades nos fatores relacionados ao apoio e ao investimento institucional para a sua continuidade. As maiores oportunidades estão relacionadas à disponibilidade de tempo e aos limites organizacionais. O dinamismo organizacional bancário pode ser caracterizado por especificações de trabalho que inibem a flexibilidade necessária para aprimorar as práticas intraempreendedoras. O estudo apresenta limites em relação às características das instituições bancárias pesquisadas, podendo também ser tema para futuras pesquisas a investigação em bancos privados, além de um estudo mais aprofundado sobre a percepção dos liderados em relação ao tema do intraempreendedorismo.

Palavras-Chave: Intraempreendedorismo. Setor bancário. Liderança.

 

Abstract: This study aims to analyze the perception of leaders about organizational practices in public banks in Rio Grande do Sul, which generate the development of an intrapreneurial environment. The research was developed with quantitative and qualitative approaches. Leaders of the banking sector in professional activity in southern Brazil responded to the Corporate Entrepreneurship Assessment Instrument, CEAI (KURATKO; HORNSBY; COVIN, 2014), which was complemented with two open questions about the perception of practices that improve and weaken intrapreneurship in your work environment. In addition to the qualitative information, an interview was also conducted with a corporate education manager from one of the institutions surveyed. Quantitative data were treated by the analysis of descriptive and inferential statistics, while qualitative data was applied by Content Analysis. Among the main results, it is highlighted that the dimensions reward / reinforcement and discretion at work were the most recognized by leaders in organizational practices that enhance intrapreneurial activities. Management support was acknowledged, but with an outstanding result. Leaders perceive the empowerment to develop their ideas with weaknesses in the factors related to support and institutional investment for their continuity. The greatest opportunities are related to the availability of time and organizational limits. Banking organizational dynamism can be characterized by job specifications that inhibit the flexibility needed to improve intrapreneurial practices. The study presents its limits in relation to the characteristics of the banking institutions surveyed, and may also be the subject for future research to investigate private banks and also a more in-depth study on the perception of those led in relation to the theme of intrapreneurship.

Keywords: Intrapreneurship. Banking sector. Leadership.

Biografia do Autor

Patrícia Martins Fagundes Cabral, Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS

Professora e Pesquisadora do PPG em Gestão e Negócios Unisinos, onde coordena o Grupo de Pesquisa em Liderança e Gestão de Pessoas. Psicóloga (Unisinos). Mestre em Administração (PUC-Rio). Doutora em Psicologia (PUCRS). Especialista em Coaching Ontológico Empresarial (Universidad San Sebastian – Chile). Consultora nas áreas de comportamento organizacional e gestão de pessoas, com mais de 25 anos de atuação em Desenvolvimento de Lideranças.

José Carlos da Silva Freitas Junior, Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS

Doutor em administração pelo PPGA da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, com período como Visiting Researcher na Simon Fraser University (Vancouver- CA). Mestre em administração pela Universidade do Vale dos Sinos (UNISINOS) e mestre Operações Militares pela Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais do Exército (EsAO). Bacharel em Ciências Militares pela Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), possui Especialização em Administração de Empresas pela FGV, Professor e Pesquisador do PPG em Gestão e Negócios Unisinos. Temas de interesse: Gestão de Pessoas; Processo de Tomada de Decisão; Liderança; Tecnologia da Informação, Capacidades Digitais e Capacidade de Informação. 

Gabriela Souza Pezzi, Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS

Consultora Autônoma, Mentora e Coaching. Mestre em Gestão de Negócios (Unisinos/Poitiers), Professora convidada da Unisinos -MBA em Liderança. Experiência de 18 anos como executiva na área de gestão de pessoas. Possui especialização em Gestão de Negócios (Fundação Dom Cabral) e Gestão Estratégica em RH (UFRGS), Especialista em Coaching Executivo Organizacional Ontológico - FIACE (Federação Iberoamericana de Coaching Ejecutivo), Bacharel em Psicologia (PUCRS).

Cíntia David, Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS

Pós-Doutorado Júnior pelo CNPq, junto ao ICTA (Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos) da UFRGS (2012-2013). Pós-Doutorado em Biotecnologia como bolsista DOCFIX (CAPES-FAPERGS), no PPGMAA-UFRGS (2012-2016). Graduanda de Psicologia na Universidade do Vale dos Sinos e bolsista de iniciação científica - PIBITI/CNPq - no PPG em Gestão e Negócios, no projeto de pesquisa em Coaching no Desenvolvimento de Lideranças: um estudo sobre esta prática no Brasil.

Referências

ANTONCIC, B.; HIRSCH, R. D. Intrapreneurship: Construct refinement and cross-cultural validation (v. 16, n. 5, p. 495–527). Journal of Business Venturing, 2001.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FINTECHS e PWC. Pesquisa Fintech Deep Dive 2018. Disponível em: https://www.pwc.com.br/pt/setores-de-atividade/financeiro/2018/pub-fdd-18.pdf

BARUAH, B.; WARD, A. Can CEOs be influential facilitators of intrapreneurship? (v. 2, n. 3, p. 47–54). Voice of Research, 2013.

BAUM, J. R., FRESE, M.; BARON, R. A. The psychology of entrepreneurship. Psychology Press, 2014.

BOWEN, D. E. The changing role of employees in service theory and practice: An interdisciplinary view (v. 26, n. 1, p. 4–13). Human Resource Management Review, 2016..

BUEKENS, W. Fostering intrapreneurship: The challenge for a new game leadership (v. 16, n. 0, p. 580–586). Procedia Economics and Finance, 2014.

CHEMERS, M. M. Leadership research and theory: A functional integration (v. 4, n. 1, p. 27–43). Group Dynamics: Theory, Research, and Practice, 2000.

CROCCO, M; JAYME JR, F.G. Bancos públicos e desenvolvimento. Rio de Janeiro : IPEA, 2010.

CUNLIFFE, A. L.; ERIKSEN, M. Relational leadership (v. 64, n. 11, p. 1425–1449). Human Relations, 2011.

DECK, M. J. Open business models: How to thrive in the new innovation landscape by Henry Chesbrough (v. 25, n. 4, p. 406–408). Journal of Product Innovation Management, 2008.

DEVELLIS, R. F. Scale development: theory and applications. Sage, 1991.

ELIA, G.; MARGHERITA, A. Assessing the maturity of crowdventuring for corporate entrepreneurship (v. 61, n. 2, p. 271–283). Business Horizons, 2018.

FOSS, N. J., LYNGSIE, J.; ZAHRA, S. A. Organizational design correlates of entrepreneurship: The roles of decentralization and formalization for opportunity discovery and realization (v. 13, n. 1, p. 32–60). Strategic Organization, 2015.

FREITAS, M. C. P. Concurrence bancaire, spéculation et instabilité financière : une lecture hétérodoxe de l’évolution récente du système financier international. Université Paris 13, 1997.

GAGNÉ, M.; DECI, E. L. Self-determination theory and work motivation (v. 26, n. 4, p. 331–362). Journal of Organizational Behavior, 2005.

GITTELL, J. H.; DOUGLASS, A. Relational bureaucracy: structuring reciprocal relationships into roles (v. 37, n. 4, p. 709–733). Academy of Management Review, 2012.

GIUNIPERO, L. C., DENSLOW, D.; ELTANTAWY, R. Purchasing/supply chain management flexibility: Moving to an entrepreneurial skill set (v. 34, n. 6, p. 602–613). Industrial Marketing Management, 2005.

GOVINDARAJAN, V.; TRIMBLE, C. Building breakthrough businesses within established organizations (v. 83, n. 5, p. 58–68). Harvard Business Review, 2005.

Güven, B. İç Girişimciliğe Verilen Önem Düzeyi ve Çevresel Faktörlerin İç Girişimcilik Üzerine Etkileri (p. 528–535). Kırgızistan-Türkiye Manas Üniversitesi 2, 2008.

HACKMAN, J. R.; OLDHAM, G. R. Work redesign. CambridgeAddison-Wesley, 1980.

HASHIMOTO, M. Espírito empreendedor nas organizações: aumentando a competitividade através do intraempreendedorismo. Saraiva, 2006.

HIRSCH, R. D. Empreendedorismo (9th ed). AMGH, 2014.

HORNSBY, J. S., KURATKO, D. F. , SHEPERD, D. A. & BOTT, J. P. Managers’ corporate entrepreneurial actions: Examining perception and position (v. 24, n. 3, p. 236–247). Journal of Business Venturing, 2009.

HORNSBY, J. S., KURATKO, D. F., HOLT, D. T. & WALES, W. J. Assessing a measurement of organizational preparedness for corporate entrepreneurship (v. 30, n. 5, p. 937–955). Journal of Product Innovation Management, 2013.

IRELAND, R. D., COVIN, J. G.; KURATKO, D. F. Conceptualizing Corporate Entrepreneurship Strategy (v. 33, n. 1, p. 19–46). Entrepreneurship Theory and Practice, 2009.

KELLEY, D.; LEE, H. Managing Innovation Champions: The Impact of Project Characteristics on the Direct Manager Role (v. 27, n. 7, p. 1007–1019). Journal of Product Innovation Management, 2010.

KURATKO, D. F., HORNSBY, J. S.; COVIN, J. G. Diagnosing a firm’s internal environment for corporate entrepreneurship (v. 57, n. 1, p. 37–47). Business Horizons, 2014.

KURATKO, D. F., IRELAND, R. D.; HORNSBY, J. S. Improving firm performance through entrepreneurial actions: Acordia’s corporate entrepreneurship strategy (v. 15, n. 4, p. 60–71). Academy of Management Perspectives, 2001.

LARSEN, P. Relational Strategic Leadership (RSL): Model for effective strategy formation processes. Academy Of Management Conference, 2013.

MA, H.; LIU, T. Q.; KARRI, R. Internal corporate venturing: Intrapreneurs, institutions, and initiatives (v. 45, n. 2, p. 114–123). Organizational Dynamics, 2016.

MARVEL, M. R.; GRIFFIN, A.; HEBDA, J.; VOJAK, B. Examining the Technical Corporate Entrepreneurs’ Motivation: Voices from the Field (v. 31, n. 5, p. 753–768). Entrepreneurship Theory and Practice, 2007.

MENKES, J. Three traits every CEO needs. Harvard Business Review, 2011. Disponível em: https://hbr.org/2011/05/three-traits-every-ceo-needs.

MIRANDA, A. D. DE. O futuro do Varejo Bancário (v. 9, n. 28, p. 18–25). Revista Dom, 2015.

MORRIS, M. H., KURATKO, D. F.; COVIN, J. G. Corporate entrepreneurship and innovation (3rd ed). Cengage Learning, 2011.

MOTTA, P. F. C. O que é burocracia. Brasiliense., 1981.

NEVES, J. G. Intraempreendedorismo: Porque a sua importância actual? (v. 106, p. 24–28). Recursos Humanos Magazine, 2016a.

NEVES, J. G. Paradoxo e complexidade na liderança: Padrões configuracionais (p. 45–74). Diversidade humana e o contexto laboral. Editora Mackenzie, 2016b.

NEVES, J. G. Paradoxo e complexidade na liderança: Padrões configuracionais (v. 18, p. 43–45). Dirigir & Formar, 2018.

NOVAES, G. F.; DAI PRÁ MARTENS, C. “Proposição De Modelo Integrativo De Intraempreendedorismo.” Revista Gestão Organizacional, vol. 16, no. 1, Jan. 2023, p. 80, https://doi.org/10.22277/rgo.v16i1.6798.

OLIVEIRA, B. Análise Fatorial, uma importante técnica multivariada, 2019. Disponível em: https://operdata.com.br/blog/analise-fatorial/.

OTLEY, D. Performance management: A framework for management control systems research (v. 10, n. 4, p. 363–382). Management Accounting Research, 1999.

PUECH, L.; DURAND, T. Classification of time spent in the intrapreneurial process (v. 26, n. 2, p. 142–151). Creativity and Innovation Management, 2017.

SHEPHERD, D. A.; KATZ, J. A. Corporate entrepreneurship. Elsevier, 2004.

SMITH, W. K.; LEWIS, M. W.; TUSHMAN, M. L. “Both/And” Leadership (v. 94, n. 5, p. 62–70). Harvard Business Review, 2016.

VAN DE VEN, A. H.; ENGLEMAN, R. M. Central Problems in Managing Corporate Innovation and Entrepreneurship (p. 47–72). Corporate Entrepreneurship. Elsevier, 2004.

ZIESMANN FORTES, F.; DAI PRÁ MARTENS, C. O comportamento intraempreendedor sob a luz da teoria das demandas e recursos de trabalho: uma revisão sistemática da literatura. Revista gestão e desenvolvimento, 19(2), 183–207. 2022. Https://doi.org/10.25112/rgd.v19i2.2811.

Downloads

Publicado

2023-02-17

Como Citar

PATRÍCIA MARTINS FAGUNDES CABRAL, P.; FREITAS JUNIOR, J. C. .; SOUZA PEZZI, G.; DAVID, C. de D. A PERCEPÇÃO DOS LÍDERES SOBRE A POTENCIALIDADE DE GERAR INTRAEMPREENDEDORISMO EM BANCOS PÚBLICOS DO RIO GRANDE DO SUL: THE PERCEPTION OF LEADERS ABOUT POTENTIALITY OF GENERATING ENTREPRENEURSHIP IN PUBLIC BANKS IN RIO GRANDE DO SUL. Revista Visão: Gestão Organizacional, Caçador (SC), Brasil, v. 12, n. 1, p. 74–92, 2023. DOI: 10.33362/visao.v12i1.3040. Disponível em: https://periodicos.uniarp.edu.br/index.php/visao/article/view/3040. Acesso em: 19 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos