“STAKEHOLDERS” COMO ATORES À CONCEPÇÃO ECOLÓGICA NO DIREITO

Autores

  • Tainá Fernanda Pedrini
  • Marcelo Buzaglo Dantas

DOI:

https://doi.org/10.33362/juridico.v9i2.2449

Resumo

Objetiva-se analisar a participação dos “stakeholders”, mediante a visão sistêmica, à construção do pensamento ecológico no Direito. Para tanto, inicialmente, faz-se o embasamento histórico das ideias sistêmicas, no que tange ao lapso temporal em que houve superação de visões holísticas às mecanicistas, bem como, ao final, a nova roupagem atribuída, denominada sistêmica. Em seguida, aprofunda-se o estudo sobre as teorias sistêmicas, principalmente, em Luhmann, que destoaram de ideais mecanicistas. Por fim, identificam-se os “stakeholders”, no caso, a sociedade, e a possibilidade de contribuição à “autopoiesis” ecológica do Direito.

Referências

ADLER, Mortimer J. Aristóteles para todos: uma introdução simples a um pensamento complexo. Tradução de Pedro Sette-Câmara. São Paulo: É Realizações, 2010. Título Original: Aristotle for Everybody: difficult thought made easy.

ALMEIDA, Fernando. Experiências empresariais em sustentabilidade: avanços, dificuldades e motivações de gestores e empresas. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

AQUINO, Sérgio Ricardo Fernandes de. (Contra o) eclipse da esperança: escritos sobre a(s) assimetria(s) entre Direito e Sustentabilidade. Itajaí: Univali, 2017.

AQUINO, Sérgio Ricardo Fernandes de; MACHADO, Maykon Fagundes. Estudos sobre o direito à sustentabilidade como direito à existência. Florianópolis: Habitus, 2021.

ARIZIO, Silvia Helena. Manifesto para uma justiça ecológica: sua importância acerca do direito das águas. Erechim: Deviant, 2017.

AYDOS, Elena de Lemos Pinto. Tributação ambiental no Brasil: fundamentos e perspectivas. 2010. Dissertação (Mestrado em Direito). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC.

BAUMAN, Zygmunt. Globalização: as consequências humanas. Tradução de Alexandre Werneck. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999, p. 06. Título Original: Globalization: the human consequences.

BECK, Ulrich. Sociedade de risco: rumo a uma outra modernidade. Tradução de Sebastião Nascimento. São Paulo: Editora 34, 2010. Título Original: Risk societty: towards a new modernity.

BOFF, Leonardo. Sustentabilidade: o que é – o que não é. 4 ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2015.

BUCKINGHAM, Will et al. O livro da filosofia. Tradução de Douglas Kim. 2 ed. São Paulo: Globo Livros, 2016.

BOURDIEU, Pierre. Meditações Pascalianas. Tradução de Sergio Miceli. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001. Título Original: Méditations pascaliennes.

BRASIL. Lei n. 6.938, de 31 de agosto de 1981. Política Nacional do Meio Ambiente. Brasília, Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6938.htm>.

FERNANDES, Edison Carlos. Paz tributária entre as nações: Teoria da aproximação tributária na formação dos blocos econômicos. 2005. 183 f. Tese (Doutorado) - Curso de Direito, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2005.

FERRY, Luc. Aprender a viver: sabedoria para os novos tempos. Tradução de Véra Lucia dos Reis. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012. Título Original: Apprendre à vivre: Traité de philosophie à l’usage des jeunes générations.

FRITJOF, Capra; MATTEI, Ugo. A revolução ecojurídica: o direito sistêmico em sintonia com a natureza e a comunidade. Tradução de Jeferson Luiz Camargo. São Paulo: Cultrix. 2018. Título Original: The ecology of law.

FRITJOF, Capra; MATTEI, Ugo. A teia da vda: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. Tradução de Newton Roberval Eichemberg. São Paulo: Cultrix, 2006.

HARDIN, Garret. The tragedy of the commons. Science. Vol. 162. Dez. 1968.

LUHMANN, Niklas. La sociedad de la sociedad. México: Herder, 2007.

MONTERO, Carlos Eduardo. Tributação ambiental: reflexões sobre a introdução da variável ambiental no sistema brasileiro. São Paulo: Saraiva, 2014.

PASOLD, Cesar Luiz. Metodologia da pesquisa jurídica: teoria e prática. 11 ed. Florianópolis: Conceito Editorial; Millennium Editora, 2008.

PORTUGAL, Daniela. A autopoiese no Direito e o funcionalismo sistêmico de Günther Jakobs na aplicação da Lei Penal. Cadernos do Programa de Pós-Graduação em Direito, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. vol. VIII. n. 2. Ano 2013. p. 7. Disponível em: < https://seer.ufrgs.br/ppgdir/article/view/43130/28204>.

PEDRINI, Tainá Fernanda. Drama de Mariana: memórias entre a lama. Disponível em: <http://conversandocomoprofessor.com.br/2018/01/29/drama-de-mariana-memorias-entre-a-lama/>.

PEDRINI, Tainá Fernanda. Homicídio de crianças indígenas: colonialidades e direitos fundamentais. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2017.

PEDRINI, Tainá Fernanda. BODNAR, Zenildo. Efetivação dos Direitos dos Animais e o Registro de Títulos e Documentos. In MOREIRA, Ana Selma (Org.). Eu sou animal: uma revolução social em busca do antiespecismo. Joinvile: Manuscritos Editora, 2019.

RIBEIRO, Job Antonio Garcia; CAVASSAN, Osmar. Os conceitos de ambiente, meio ambiente e natureza no contexto da temática ambiental: definindo significados. GÓNDOLA – Enseñanza y Aprendizaje de las Ciencias. vol. 8, n.2, julio-diciembre del 2013.

ROCHA, Thelma; GOLDSCHMIDT, Andrea (Coords). Gestão dos Stakeholders: como gerenciar o relacionamento e a comunicação entre a empresas e seus públicos de interesse. São Paulo: Saraiva, 2010.

SARAIVA, Pery Neto. A prova na jurisdição ambiental. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2010.

SOUSA, Almir Ferreira de; ALMEIDA, Ricardo José de. O valor da empresa e a influência dos stakeholders. São Paulo: Saraiva, 2006.

SOUZA, Maria Cláudia da Silva Antunes de; MAFRA, Juliete Ruana. Avaliação ambiental estratégica: agindo em favor do desenvolvimento sustentável. In SOUZA, Maria Cláudia da Silva Antunes de. Avaliação ambiental estratégica: reflexos na gestão ambiental portuária Brasil e Espanha. Belo Horizonte: Editora Vorto, 2017.

TRENNEPOHL, Terence. Direito ambiental. 5.ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

ZANON JUNIOR, Orlando Luiz. Curso de Filosofia Jurídica. Florianópolis: Empório do Direito, 2016.

Downloads

Publicado

2020-12-22

Como Citar

PEDRINI, T. F. .; DANTAS, M. B. . “STAKEHOLDERS” COMO ATORES À CONCEPÇÃO ECOLÓGICA NO DIREITO. Ponto de Vista Jurídico, Caçador (SC), Brasil, v. 9, n. 2, p. 25 - 36, 2020. DOI: 10.33362/juridico.v9i2.2449. Disponível em: https://periodicos.uniarp.edu.br/index.php/juridico/article/view/2449. Acesso em: 8 maio. 2021.

Edição

Seção

Artigos