DIMENSÕES DE EMPODERAMENTO DE MULHERES MÉDICAS DA SERRA CATARINENSE

DIMENSIONS OF EMPOWERMENT OF MEDICAL WOMEN FROM SANTA CATARINA MOUNTAIN RANGE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33362/visao.v10i1.1946

Palavras-chave:

Empoderamento feminino, medicina, mercado de trabalho.

Resumo

Até a década de 1960, a medicina no Brasil era exercida majoritariamente por homens. A partir da década de 1970, a circulação as mulheres aumentaram nas faculdades de Medicina, aumentando gradativamente nas décadas seguintes. De uma profissão basicamente dominada pelos homens, a medicina passa a ser uma profissão onde a maioria dos novos médicos licenciados são mulheres. Essa pesquisa objetivou compreender o nível de empoderamento das médicas que atuam na serra catarinense. Os procedimentos metodológicos adotados foram: pesquisa descritiva, estudo de caso, com abordagem qualitativa. A pesquisa foi realizada com 15 médicas que atuam na serra catarinense. Foi utilizado um questionário com roteiro semiestruturado, contemplando as dimensões de empoderamento individual, relacional e coletiva.  Buscou-se conhecer os principais desafios enfrentados pela mulher na área da saúde, gerando repercussão na organização e dinâmica do trabalho. Os resultados apontam que houve destaque para a dimensão individual e relacional, visto que, as entrevistadas apontaram fortemente os seguintes objetivos: (1) ser referência na área de atuação; (2) ser reconhecida pelo trabalho que executa, (3) ser ética e útil para a sociedade; (4) alcançar novos patamares na carreira; (5) ter muitos pacientes; (6) ter poder de aquisição de bens materiais; (7) descobrir o seu propósito na vida dentro da profissão e evoluir como ser humano; (8) ocupar cargos importantes; (9) trabalhar no que ama. Os resultados mostram que a atuação na docência no ensino superior contribui para melhorar o seu empoderamento, quando seis médicas afirmam que se sentem referência pelo seu exemplo profissional para futuras médicas.

Palavras-Chave: Empoderamento feminino, medicina, mercado de trabalho.

 

Abstract: Until the 1960s, medicine in Brazil was mainly exercised by men. From the 1970s onwards, the movement of women in medical schools increased and grew gradually over the following decades. In principle a career basically dominated by men, medicine becomes a profession where the majority of new licensed doctors are women. This study intends to understand the level of empowerment of the female doctors who work in the Santa Catarina Mountain Range and adopted descriptive research and case study, with a qualitative approach, as methodological procedures. The research was carried out with 15 female doctors who work in the Santa Catarina Mountain Range and used a semi-structured questionnaire, including the dimensions of individual, relational e collective empowerment. The research sought to know the main challenges faced by women in the area of health, generating repercussions on the organization and work dynamics. The results emphasized the individual and relational dimensions, since the interviewees strongly pointed out the following objectives: (1) be a reference in the area of operation; (2) be recognized for her work; (3) be ethical and useful to the society; (4) achieve new career levels; (5) have many patients; (6) have purchasing power of material goods; (7) discover your purpose in life within the profession and evolve as a human being; (8) hold important job positions; (9) work on what you love. Results prove that teaching in higher education contribute to improve their empowerment when six female doctors state that they see themselves as a reference for future female doctors by their professional example.

Keywords: Women’s empowerment, medicine, job market.

Biografia do Autor

Talita Granemann Mello, Universidade do Planalto Catarinense - UNIPLAC

Estudante de Medicina na Universidade do Planalto Catarinense - UNIPLAC

Cristina Keiko Yamaguchi, Universidade do Planalto Catarinense - UNIPLAC

Doutora em Engenharia e Gestão do Conhecimento

Docente do Programa de Pós-Graduação em Ambiente e Saúde - PPGAS 

 

Referências

ÁVILA, R. C. Formação das Mulheres nas Escolas de Medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, 142 38 (1) : 142-149; 2014.

BAQUERO, R. V. A. Empoderamento: Instrumento de emancipação social? Uma discussão conceitual. Revista Debates, v.6, n.1, p. 173-187, 2012.

BECKER H.S; GEER, B; HUGHES, EC; STRAUSS, A.L. Boys in White: student culture in medical school. 9. ed. New Brunswick and London: Transaction Publishers, 2005.

BRASIL. Lei nº 9.100, de 29 de setembro de 1995. Estabelece normas para a realização das eleições municipais de 3 de outubro de 1996, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9100.htm.> Acesso em: 16 out. 2016.

COSTA, A. A. Gênero, poder e empoderamento das mulheres. 2008, 9p. Disponível em: <http://www.agende.org.br/docs/File/dados_pesquisas/feminismo/Empoderamento% 20-%20Ana%20Alice.pdf>. Acesso em: 19 nov. 2018.

DALL’AVA-SANTUCCI. Mulheres e Médicas: as pioneiras da Medicina. Rio de Janeiro: Ediouro, 2005.

FESTE, C.; ANDERSON, R. M. Empowerment: from philosophy to practice. Patient Education and counseling, v. 26, p 139-144, 1995.

FREIRE, P.; SHOR, I. Medo e ousadia: O cotidiano do professor. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

GROSSI, M.P.; MIGUEL, S. Transformando a diferença: as mulheres na política. Revista Estudos Feministas, v. 9, n. 1, p. 167-206, 2001.

HIRATA, H; KERGOAT, D. A divisão sexual do trabalho revisitada. In: Maruani M, Hirata H (Orgs.). As novas fronteiras da desigualdade: homens e mulheres no mercado de trabalho. São Paulo: Senac, 2003. p. 111-123

HOROCHOVSKI, R.R. Empoderamento: definições e aplicações. Encontro anual da ANPOCS, v. 30, p. 1-29, 2006.

KLEBA, M.E.; WENDAUSEN, A. Empoderamento: processo de fortalecimento dos sujeitos nos espaços de participação social e democratização política. 2009. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v18n4/16.pdf>. Acesso em: 26 set. 2016.

LEÓN, M. Empoderamiento: Relaciones de las mujeres con el poder. Estudos Feministas, v.8, n.2, p. 191-205, 2000

LISBOA, T. K. Empoderamento. In: CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA MULHER, 2. 2007, Florianópolis, SC. Anais... Florianópolis, 2007. Disponível em: < http://www.slideserve.com/kirk/ii-confer-ncia-estadual-dos-direitos-da-mulherflorian-polis-santa-catarina-12-e-13-de-julho-de-2007>. Acesso em: 2 out. 2018.

LÜCHMANN, L. H. H.; ALMEIDA, C. C. R. A representação política das mulheres nos Conselhos Gestores de Políticas Públicas. Revista Katálysis, v. 13, n. 1, p. 86-94, 2010.

MAGESTE, G.S.; MELO, M.C.O.L.; CKAGNAZAROFF, I.B. Empoderamento de mulheres: uma proposta de análise para as organizações. V Encontro de Estudos Organizacionais da ANPAD. Belo Horizonte / MG. 18 a 20 jun. 2008.

MIGUEL, S.M.A política de cotas por sexo: um estudo das primeiras experiências no legislativo brasileiro. Centro Feminista de Estudos e Assessoria, 2000. Disponível em: < file:///D:/artigos%20para%20TCC/a_politica_de_cotas_por_sexo%20CEFEMEA.pdf>. Acesso em: 16 set. 2016.

OAKLEY, P.; CLAYTON, A. Monitoramento e avaliação do empoderamento (“empowerment”). São Paulo, Instituto Pólis, 2003. 96 p.

OLIVEIRA, K.B.; LOPES, G.S.C.; WATANABE, M.; YAMAGUCHI, C.K.; DUARTE, R. Estudo do empoderamento na perspectiva de mulheres líderes. Pretexto. V. 16, n. 4, p. 82-99.

OLIVEIRA, L.M.C.; OLIVEIRA, R.A.; MARQUES, A.B. Design Thinking: oficinas para inovação e empoderamento feminino. 2020: ANAIS DO XIV WOMEN IN INFORMATION TECHNOLOGY ARTIGOS CURTOS. Disponível em: <https://sol.sbc.org.br/index.php/wit/article/view/11295>. Acesso em 06 set. 2020,

OLIVEIRA, U. R.; RODRIGUEZ, M. V. R. Empowerment como ferramenta de gestão de pessoas para a redução dos custos e aumento da eficiência operacional: Um estudo de caso em uma instituição financeira. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 24, 2004, Florianópolis. Anais eletrônicos... Florianópolis: ABEPRO, 2004. Disponível em: <http://www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP2004_Enegep0707_0033.pdf>. Acesso em: 3 out. 2018.

ONU MULHERES. Entidade das Nações Unidas para a igualdade de gênero e o Empoderamento das mulheres. Princípios de empoderamento das mulheres: igualdade gera negócios. 2010. Brasília. Disponível em: < http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2016/04/cartilha_WEPs_2016.pdf>. Acesso em: 09 set. 2018.

PDIC 2022 – Programa de Desenvolvimento Industrial Catarinense. 2014. Disponível em:< http://www4.fiescnet.com.br/pt/o-programa-pedic-2022/o-programa>. Acesso em: 20 mar. 2018.

PILONIETA, A. S. Dispositivos de empoderamiento para el desarrollo psicossocial. Revista Universitas Psychologica, v.1, n.2, p. 39-48, 2002

ROWLANDS, J. Empowerment examined: an exploration of the concept and practice of women's empowerment in Honduras. 1995. 289 f. Tese (Doutorado em Filosofia) - Durham University, Durham, 1995. Disponível em: < http://etheses.dur.ac.uk/1424/>. Acesso em: 01 mar. 2017.

ROWLANDS, J. Questioning empowerment: Working with women in Honduras. Oxfam, 1997.

SANTOS, M.F.; DIAS, N.N.; PACHECO, L. Empoderamento, liderança e mulher nos processos de trabalho. Conference: XXI SemeAd - Seminários em Administração. At: FEA-USP - São Paulo. Volume: 21

SOUSA, R. M. B. C.; MELO, M. C. O. L. Mulheres na gerência em tecnologia da informação: análise de expressões de empoderamento. Revista de Gestão USP, v.16, n.1, p.1-16. 2009. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/rege/article/view/36658/39379>. Acesso em: 01 fev. 2019.

VELHO, B.T.M. Equidade de gênero no mundo do trabalho: A história de uma organização. In: CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO, 7, 2011, Rio de Janeiro. Anais eletrônicos... Rio de Janeiro: CNEG, 2011. Disponível em: <http://www.excelenciaemgestao.org/Portals/2/documents/cneg7/anais/T11_0452_2137.pdf> Acesso em: 15 set. 2016.

Downloads

Publicado

2021-09-16

Como Citar

MELLO, T. G.; YAMAGUCHI, C. K. DIMENSÕES DE EMPODERAMENTO DE MULHERES MÉDICAS DA SERRA CATARINENSE: DIMENSIONS OF EMPOWERMENT OF MEDICAL WOMEN FROM SANTA CATARINA MOUNTAIN RANGE. Revista Visão: Gestão Organizacional, Caçador (SC), Brasil, v. 10, n. 1, p. 39-53, 2021. DOI: 10.33362/visao.v10i1.1946. Disponível em: https://periodicos.uniarp.edu.br/index.php/visao/article/view/1946. Acesso em: 24 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)