O ENTENDIMENTO DO STF E DO STJ SOBRE AS FAMÍLIAS PARALELAS: SELETIVIDADE AFETIVA E NEGACIONISMO JURÍDICO

THE STF AND STJ UNDERSTANDING ABOUT THE PARALLEL FAMILIES: AFFECTIVE SELECTIVITY AND JURIDIC NEGATIONISM

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33362/visao.v12i1.3024

Palavras-chave:

Parallel families. Constitutionalization of family law. Affective selectivity. Juridic negationism.

Resumo

O advento da Constituição Federal de 1988 impôs a releitura do direito de família à luz da dignidade da pessoa humana: trata-se do fenômeno da constitucionalização do direito de família, segundo o qual as famílias passaram a ser tuteladas visando o alcance da plenitude de seus membros, de modo que não cabe ao Estado dizer o que é, ou não, família; se há a vivência do afeto e a busca pela felicidade entre os sujeitos de determinada unidade doméstica, estes vivem em família. Ocorre que recentemente o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Superior Tribunal de Justiça (STJ) proferiram decisões negando reconhecimento e tutela às famílias paralelas, que são aquelas uniões estáveis formadas por sujeito que já vive em outra família matrimonial ou em outra união estável com terceira pessoa. Cuida-se de entendimento problemático, em que ao realizar seletividade afetiva os tribunais ignoraram realidades jurídicas claramente perceptíveis, decidindo segundo um negacionismo jurídico, e, com isso, violando preceitos constitucionais que se fundamentam na tutela da dignidade humana. A análise documental das decisões referidas serão o centro da presente investigação, servindo de ponto de partida para pesquisa bibliográfica, com objetivo de demonstrar que os tribunais foram na contramão da concepção constitucional de família, como instrumento de busca pela felicidade e de realização pessoal de seus membros.

Palavras-Chave: Constitucionalização do Direito de Família. Famílias paralelas. Negacionismo Jurídico. Seletividade afetiva.

 

Abstract: The advent of the 1988 Federal Constitution imposed the re-reading of family law in the light of human dignity: it is about the phenomenon of the constitutionalization of family law, according to which families began to be protected in order to achieve the fullness of its members, so that it is not for the State to say what is, or is not, family; if there is the experience of affection and the pursuit of happiness among the subjects of a particular domestic unit, they live in a family. Recently, the Supreme Federal Court of Brazil (STF) and the Brazilian Superior Court of Justice (STJ) decided to deny recognition and protection to parallel families, which are those stable unions formed by a subject who already lives in another marital family or in another stable union with a third person. This is a problematic understanding, in which by performing affective selectivity the courts ignored clearly perceptible juridic realities, deciding according to a juridic denialism, and thus violating constitutional precepts that are based on the protection of human dignity. The documental analysis of the referred decisions will be the center of the present investigation, serving as a starting point for bibliographical research, with the purpose of demonstrating that the courts decided contrary to constitutional conception of family as an instrument of the search for happiness and personal realization of its members.

Keywords: Constitutionalization of Family Law. Parallel families. Juridic negationism. Affective selectivity.

Biografia do Autor

João Gabriel Fraga de Oliveira Faria

Cursou especialização em Direitos Fundamentais, pela Universidade de Coimbra (Portugal); cursou especialização em Direito Constitucional; é especialista em Direito e Processo Civil; tem especialização em Direito Público e em Direito Empresarial; graduou-se em Direito, no Centro Universitário Salesiano de São Paulo (UNISAL). Advogado e pesquisador. É presidente da Comissão de Direito de Família da 52º Subseção OAB/SP; foi diretor do núcleo regional (Lorena/SP) do IBDFAM – Instituto Brasileiro de Direito das Famílias. E-mail para contato: joaogabrielffaria@gmail.com.

Referências

ALVES, Jones Figueirêdo. O casal parental. Migalhas, Ribeirão Preto, 6 fev. 2014. Disponível em: https://www.migalhas.com.br/depeso/194869/o-casal-parental. Acesso em: 29 nov. 2022.

ARAÚJO, Luiz Alberto David; NUNES JÚNIOR, Vidal Serrano. Curso de Direito Constitucional. 21. ed. São Paulo: Verbetim, 2017.

BAERTSCHI, Bernard. Ensaio filosófico sobre dignidade: antropologia e ética das biotecnologias. Tradução: Paula Silvia Rodrigues Coelho da Silva. São Paulo: Loyola, 2009.

BARROS, Sergio Resende de. Direitos humanas da família: principais e operacionais. Afeto, ética, família e o novo Código Civil brasileiro, Porto Alegre, n. 4, 29 ago. 2003. In anais do IV Congresso Brasileiro de Direito de Família, Belo Horizonte, 2003.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal (Pleno). Tema 529. A preexistência de casamento ou de união estável de um dos conviventes impede o reconhecimento de novo vínculo no mesmo período, 2021. Disponível em: https://portal.stf.jus.br/jurisprudenciaRepercussao/tema.asp?num=529. Acesso em 25 nov. 2022.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal (Pleno). Recurso extraordinário 1045273/SE. Decisão judicial em que se reconheceu a impossibilidade de uniões estáveis paralelas, 2021. Disponível em: https://jurisprudencia.stf.jus.br/pages/search/sjur443826/false. Acesso: 25 nov. 2022.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça (3ª Turma). Recurso especial com numeração não divulgada. Decisão judicial que reconheceu a impossibilidade da existência de união estável paralela iniciada antes do casamento, 2022. Disponível em: https://www.stj.jus.br/sites/portalp/Paginas/Comunicacao/Noticias/2022/15092022-E-incabivel-o-reconhecimento-de-uniao-estavel-paralela--ainda-que-iniciada-antes-do-casamento.aspx#:~:text=A%20magistrada%20tamb%C3%A9m%20lembrou%20que,monogamia%20pelo%20ordenamento%20jur%C3%ADdico%20brasileiro. Acesso em: 25 nov. 2022.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal (Pleno). Arguição de descumprimento de preceito fundamental 132/RJ e ação direita de inconstitucionalidade 4277/DF. Decisão judicial que reconheceu a união homoafetiva como família, 2011. Disponível em: https://www.stf.jus.br/arquivo/informativo/documento/informativo625.htm. Acesso em: 29 nov. 2022.

BRASIL. Constituição Federal (1988). 12. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2020.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente (1990). 12. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2020.

BRASIL. Código Civil (2002). 12. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2020.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça (4ª Turma). Recurso especial 57.606/MG. Decisão judicial que reconheceu como bem de família o imóvel em que residem duas irmãs, 2022. Disponível em: https://processo.stj.jus.br/processo/ita/documento/mediado/?num_registro=199400371578&dt_publicacao=15-05-1995&cod_tipo_documento=&formato=undefined. Acesso em: 25 nov. 2022.

BRASIL, Superior Tribunal de Justiça (Pleno). Súmula n. 364. Enunciado que reconhece como bem de família o imóvel pertencente a pessoas solteiras, viúvas, separadas ou divorciadas, 2008. Disponível em: https://www.stj.jus.br/docs_internet/revista/eletronica/stj-revista-sumulas-2012_32_capSumula364.pdf. Acesso em: 29 nov. 2022.

BULOS, Uadi Lammêgo. Curso de Direito Constitucional. 7. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

DIAS, Maria Berenice. Manual de Direito das Famílias. 5. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

DIAS, Maria Berenice. A ética do afeto. Revista Jus Navigandi, Teresina, v. 10, n. 668, 4 mai. 2005. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/6668. Acesso em: 30 nov. 2022.

ENGELS, Friedrich. A origem da família, da sociedade e do Estado. 9. ed. Tradução: Leandro Konder. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1984.

FARIA, João Gabriel Fraga de Oliveira; TOLEDO, Luiz Helena Lellis Andrade de Sá Sodero. As famílias plurais à luz da teoria tridimensional do direito. Revista Jurídica On-line, Lorena, n. 7, 2016. Disponível em: https://revista.unisal.br/lo/index.php/revdir/article/view/647. Acesso em: 30 nov. 2022.

GAGLIANO, Pablo Stolze; PAMPLONA FILHO, Rodolfo. Novo curso de Direito Civil: Direito das Famílias. São Paulo: Saraiva, 2011.

GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro: Parte geral. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

HIRONAKA, Giselda Maria Fernandes Novaes; TARTUCE, Flávio. Famílias paralelas: visão atualizada. Revista pensamento jurídico, São Paulo, v. 13, n. 2, p. 259-294, jul./dez. 2019. Disponível em: https://fadisp.com.br/revista/ojs/index.php/pensamentojuridico/article/view/182. Acesso em: 30 nov. 2022.

KELSEN, Hans. Teoria pura do direito. Tradução: João Baptista Machado. 8. ed. São Paulo: Wmf Martins Fones, 2009.

LÔBO, Paulo Luiz Netto. Direito das obrigações. São Paulo: Saraiva, 2005.

MADALENO, Rolf. Direito de família. 8. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2018.

MEDINA, José Miguel Garcia. Constituição Federal Comentada. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013.

MOUSNIER, Conceição A. A nova família à luz da Constituição Federal, da legislação e do novo Código Civil. Revista da EMERJ, v. 5, n. 20, 2002. Disponível em https://www.emerj.tjrj.jus.br/revistaemerj_online/edicoes/revista20/revista20_244.pdf. Acesso em 16. jun. 2022.

NERY JÚNIOR, Nelson. NERY, Rosa Maria de Andrade. Constituição Federal Comentada. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

PEREIRA, Rodrigo da Cunha. Princípios fundamentais e norteadores para a organização jurídica da família. Orientador: Luiz Edson Fachin. 2004. 157 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2004.

PEREIRA, Rodrigo da Cunha. Famílias multiconjugais e o negacionismo jurídico. Consultor Jurídico, São Paulo, 21 ago. 2022. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2022-ago-21/processo-familiar-familias-multiconjugais-negacionismo-juridico. Acesso em: 30 nov. 2022.

PORTO, Sérgio Gilberto. União estável: Natureza jurídica e consequências. Ajuris: Revista da Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, v. 20, n. 59, p. 269-273, 1993.

REALE, Miguel. As diretrizes fundamentais do Projeto do Código Civil. In: Comentários sobre o projeto do Código Civil Brasileiro: cadernos do Centro de Estudos Judiciários. Brasília: CJF, 2002. v. 20, cap. 1, p. 9-25. ISBN 85-85572-65-5.

RIBEIRO, Claudio Berenguel. Caminhos da Lei. São Paulo: Instituto da Moda, 2012.

ROCHA, Leonel Severo; SCHERBAUM, Júlia Francieli Neves. A constitucionalização no direito de família no sistema jurídico brasileiro. Revista de constitucionalização do direito brasileiro: Reconto, Maringá, v. 1, n. 1, p. 1-21, jan./jun. 2018. DOI https://doi.org/10.33636/reconto.v1n1.e002. Disponível em: https://www.sumarios.org/revista/revista-de-constitucionaliza%C3%A7%C3%A3o-do-direito-brasileiro-reconto. Acesso em: 28 nov. 2022.

TARTUCE, Flávio. Manual de Direito Civil: volume único. 9. ed. São Paulo: Método, 2019.

TARTUCE, Flávio. Novos princípios do Direito de Família brasileiro. Revista Jus Navigandi, Teresina, v. 11, n. 1069, 5 jun. 2006. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/8468. Acesso em: 29 nov. 2022.

TEPEDINO, Gustavo. Normas constitucionais e relações de direito civil na experiência brasileira. Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, Coimbra, n. 48, 2006.

TEPEDINO, Gustavo. Premissas metodológicas para a constitucionalização do direito civil. In. Temas de direito civil. 3. ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2004.

Downloads

Publicado

2023-02-01

Como Citar

FRAGA DE OLIVEIRA FARIA, J. G. O ENTENDIMENTO DO STF E DO STJ SOBRE AS FAMÍLIAS PARALELAS: SELETIVIDADE AFETIVA E NEGACIONISMO JURÍDICO: THE STF AND STJ UNDERSTANDING ABOUT THE PARALLEL FAMILIES: AFFECTIVE SELECTIVITY AND JURIDIC NEGATIONISM. Revista Visão: Gestão Organizacional, Caçador (SC), Brasil, v. 12, n. 1, p. 23–37, 2023. DOI: 10.33362/visao.v12i1.3024. Disponível em: https://periodicos.uniarp.edu.br/index.php/visao/article/view/3024. Acesso em: 18 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos