A PERCEPÇÃO DA RESILIÊNCIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO SOBRE O MODELO DE GESTÃO DE RECURSOS E PESSOAS

THE PERCEPTION OF ORGANIZATIONAL RESILIENCE: A STUDY OF A MANAGEMENT MODEL OF RESOURCES AND PERSONNEL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33362/visao.v9i2.1833

Palavras-chave:

Gestão de Pessoas

Resumo

O objetivo deste estudo foi identificar quais são as principais características e prática que tornam uma organização considerada resiliente e verificar a existência da resiliência dentro das organizações. Para tanto, foram apresentados os conceitos e definições sobre a visão baseada em recursos, competências essenciais, modelo estratégico de gestão de pessoas e recursos, resiliência organizacional e individual. Conforme o referencial teórico realizou-se uma pesquisa quantitativa, com uma amostra de 150 gestores e coordenadores, com descrição exploratória. É possível verificar que existem poucos estudos sobre resiliência organizacional no Brasil, embora o tema venha sendo bastante discutido em alguns países que representam ter a consolidação sobre o tema, tanto aos indivíduos como às empresas. Por meio desta pesquisa, verificou-se que as variáveis determinantes para o presente estudo foram: flexibilidade, agilidade e adaptabilidade, que são consideradas habilidades que tendem a mudar em um prazo relativamente curto; desenvolvem rapidamente manobras competitivas para enfrentar o mercado, e restabelecer o equilíbrio entre o ambiente externo e interno. Tal resultado colabora para o enriquecimento do campo de conhecimento das organizações resilientes nos tempos atuais e permite a replicação do modelo teórico utilizado em outros contextos.

Palavras-Chave: Resiliência Organizacional. Resiliência Individual. Gestão de Recursos. Gestão de pessoas.

 

THE PERCEPTION OF ORGANIZATIONAL RESILIENCE: A STUDY OF A MANAGEMENT MODEL OF RESOURCES AND PERSONNEL

Abstract: The objective of this study was to identify what are the main characteristics and practices that make an organization considered resilient; to verify the existence of resilience within organizations. For that, concepts and definitions were presented on the concepts of information perspectives, essential resources, model of people and resources management, organizational capacity and individuality. According to the theoretical reference. A quantitative research was carried out, with a sample of 150 managers and coordinators, with an exploratory description typology. It is possible to find studies on organizational resilience in Brazil, although the theme is analyzed in some countries that represent a consolidation on the subject for both the individual and the companies. With this research, to verify which are the determining variables for the present study that are the flexibility, the agility and the capacity of adaptation to the market change, and to reestablish the balance between the external and internal environment. This is the result for the enrichment of the knowledge field of the organizations before the present times, and allows the replication of the theoretical model of other contexts.

Keywords: Organizational Resilience. Individual Resilience. Resource management. People management.

Biografia do Autor

Anselmo Carrera Maia, Centro Universitário Adventista de São Paulo - UNASP

Mestre.

Referências

ANNARELLI, Alessandro; NONINO, Fabio. Strategic and operational management of organizational resilience: Current state of research and future directions. Omega, v. 62, p. 1- 18, 2016.

AKTOUF, O. Pós-globalização, administração e racionalidade econômica: a síndrome do avestruz – reflexões sobre a miopia do pensamento econômico e administrativo contemporâneo. São Paulo: Atlas, 2004.

BARNEY, J. B.; HESTERLY, W. S. Administração estratégica e vantagem competitiva. 3.ed. São Paulo: Pearson/Prentice Hall, 2011

______.1991 Firm resources and sustained competitive advantage, Journal of Management, v. 17, n. 1, p 99-120,.

BARLACH, L. O que é resiliência humana? Uma contribuição para a construção do conceito. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010 .

BARLACH, L.; FRANÇA, L. A.; MALVEZZI, S. O conceito de resiliência aplicado ao trabalho nas organizações. Revista Internacional de Psicologia, São Paulo, v.42, n.1, p. 101-112, jan. 2008.

BARBOSA, G. (2011CYRINO, A. B. Transformations stratégiques et reconfiguration des compétences organisationnelles: une analyse des banques privées de détail au Brésil pendant la période 1986-1997. Tese (Doutorado em Administração) – École des Hautes Études Commerciales, Paris, 2004

BHAMRA, R.; DANI, S.; BURNARD, K.: Resilience: the concept, a literature review and future directions. International Journal of Production Research. Vol, 49, nº 18, pp. 5375-5393, 2011.

CABRAL, P. M. F.; BRUSTOLIN, P. K. S. Desenvolvimento da capacidade de resiliência: uma alternativa frente aos desafios da contemporaneidade? In: BITENCOURT, C (Org.). Gestão contemporânea de pessoas: novas práticas, conceitos tradicionais. 2ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2010. p. 285-296.

CYRINO, A. B. Transformations stratégiques et reconfiguration des compétences organisationnelles: une analyse des banques privées de détail au Brésil pendant la période 1986-1997. Tese (Doutorado em Administração) – École des Hautes Études Commerciales, Paris, 2004

CARMELLO, E. Resiliência: a transformação como ferramenta para construir empresas de valor. São Paulo: Editora Gente, 2008.

COUTU, D. L. How resilience works. Harvard Business Review, v. 80, n. 5, p. 46-55, maio 2010.

DENHARDT, J.; DENHARDT, R. Building organizational resilience and adaptive management. In: REICH, J. W.; ZAUTRA, A. J.; HALL, J. S. (Ed.). Handbook of adult resilience. New York: Guilford, 2010. p. 333-374.

Job, F. P. (2003). Os sentidos do trabalho e a importância da resiliência nas organizações. Tese

Doutorado Inédita. Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, SP, Brasil.

GODET, M. Prospective et technologies: virages et mirages. 2011. Disponível em: Acesso em: 30 jul. 2018

Hamel, G., & Prahalad, C. K. (1993). Strategy as stretch and leverage. Harvard Business Review, 71(2), 75−85. Hamel, G., & Valikangas, L. (2003). The quest for resilience. Harvard Business Review, 81(9), 52−63.

HAMEL, Gary; VÄLIKANGAS, Liisa. Em Busca da Resiliência. Harvard Business Review, www.hbr.org, Reprint R0309C-P, p.32-44. Set. 2003.

____. (2005). Adaptive fit versus robust transformation: How organizations respond to environmental change. Journal of Management, 31(5), 738−757.

HUTTON, W.; GIDDENS, A. (Eds). No limite da racionalidade: convivendo com o capitalismo global. Rio de Janeiro, Brasil: Record, 2004.

LENGNICK-HALL, Cynthia A.; BECK, Tammy E.; LENGNICK-HALL, Mark L. Developing a capacity for organizational resilience through strategic human resource management. Human Resource Management Review, v. 21, n. 3, p. 243-255, 2011

Libório, R. M. C., Castro, B. M., & Coelho, A. E. L. (2006). Desafios metodológicos para a pesquisa em resiliência: Conceitos e reflexões críticas. In D. D. Dell ‘Aglio, S. H. Koller, & M. A. M. Yunes (Eds.), Resiliência e Psicologia Positiva: Interfaces do risco a a proteção (pp. 89-117). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Linnenluecke, M., & Griffiths, A. (2010). Beyond adaptation: resilience for business in light of climate change and weather extremes. Business & Society, 49(3), 477-511.

Linnenluecke, M. K. (2015). Resilience in business and management research: a review of influential publications and a research agenda. International Journal of Management Reviews, 0, 1-27.

MINTZBERG, H. , Criando Organizações Eficazes, Atlas, São Paulo, 2000;

NELSON, James I.; Building Resilient Communities: One Organization at a Time, The International Consortium for Organizational Resilience, 2007. Disponível em: http://www.theicor.org/art/present/art/shrt/ARBC00020s.pdf Acesso em: 20/01/2014.

MORAN, B.; TAME, P. Organizational resilience: uniting leadership and enhancing sustainability. Sustainability: The Journal of Record, v. 5, n. 4, p. 233-237, 2012.

PAIVA, K. C. M.; GOMES, M. A. N.; HELAL, D. H. Estresse ocupacional e síndrome de burnout: proposição de um modelo integrativo e perspectivas de pesquisa junto a docentes do ensino superior. Gestão & Planejamento, v. 16, n. 3, p. 285-309, 2015.

PIOVAN, R. Resiliência: como superar pressões e adversidades no trabalho. São Paulo: Reino Editorial, 2010.). Roteiro dos índices de resiliência: um exemplo de análise comentada do Quest_Resiliência. 2010. 19 f. Monografia (Conclusão de Curso) - Sociedade Brasileira de Resiliência, São Paulo.

PRODANOV, C. C., & de Freitas, E. C. (2013). Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico (2a ed.). Novo Hamburgo: Feevale.

RODRIGUES, L. C.; MACCARI, E. A.; PEREIRA, A. Estratégias de estímulo ao empreendedorismo corporativo. RIAE – Revista Ibero-Americana de Estratégia, São Paulo, v. 8, n 2, p. 173-194, jul./dez. 2009

SUTCLIFFE, K. M.; VOGUS, T. J. Organizing for resilience. In: CAMERON, K. S.; DUTTON, J. E.; QUINN, R. E. (Eds.), Positive organizational scholarship: Foundations of a new discipline. San Francisco: BerrettKoehler, 2003. 94-110 p

VASCONCELOS, I, Cyrino, A. Carvalho, L. Oliveira, L. “ Organizações Pós-Burocráticas e Resiliência Organizacional: A Institucionalização de formas de Comunicação mais Substantivas nas Relações de Trabalho, Cadernos EBAPE.BR, setembro de 2017.

YUNES M. A.; SZYMANSKI, H. Resiliência: noção, conceitos afins e considerações críticas. In: TAVARES, J. (Org.). Resiliência e educação. São Paulo: Cortez, 2001. 13-42 p.

Downloads

Publicado

2020-10-20

Como Citar

FERNANDES, N. da S.; MAIA, A. C. A PERCEPÇÃO DA RESILIÊNCIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO SOBRE O MODELO DE GESTÃO DE RECURSOS E PESSOAS: THE PERCEPTION OF ORGANIZATIONAL RESILIENCE: A STUDY OF A MANAGEMENT MODEL OF RESOURCES AND PERSONNEL. Revista Visão: Gestão Organizacional, Caçador (SC), Brasil, v. 9, n. 2, p. 1-19, 2020. DOI: 10.33362/visao.v9i2.1833. Disponível em: https://periodicos.uniarp.edu.br/index.php/visao/article/view/1833. Acesso em: 15 abr. 2021.

Edição

Seção

Artigos